Monday, 26 March 2018

Ganhos e Perdas Realizados e Não Realizados



Na contabilidade, há uma diferença entre ganhos e perdas realizados e não realizados. As receitas ou perdas realizadas referem-se a lucros ou perdas de transações concluídas. Os ganhos ou perdas não realizados referem-se a lucros ou perdas ocorridos em papel, mas as transações relevantes não foram concluídas. Um ganho ou perda não realizada também é chamado de lucro em papel ou perda de papel, porque é gravado em papel, mas na verdade não foi realizado.
Registre receitas ou perdas realizadas na demonstração do resultado. Estes representam ganhos e perdas de transações concluídas e reconhecidas. As receitas ou perdas não realizadas são registradas em uma conta denominada acumulada de outros resultados abrangentes, que é encontrada na seção de capital do proprietário do balanço patrimonial. Estes representam ganhos e perdas decorrentes de alterações no valor de ativos ou passivos que ainda não foram liquidados e reconhecidos.
Realizado - Exemplos não realizados.
Se uma empresa possui um ativo, e esse recurso aumenta em valor, então pode parecer intuitivamente que a empresa obteve lucros nesse ativo. Por exemplo, digamos que uma empresa possui US $ 10.000 em estoque. Então, o valor das ações subiu para US $ 15.000. No papel, a empresa realizou um lucro em papel de US $ 5.000. No entanto, a empresa não pode registrar os US $ 5.000 como receita.
Este ganho não realizado não será realizado até que a empresa realmente venda as ações e colete o caixa. Até o estoque ser vendido, o lucro em papel de US $ 5.000 só pode ser registrado como um lucro não realizado na conta acumulada de outros resultados abrangentes na seção de patrimônio dos proprietários do balanço patrimonial.
Uma vez que a empresa realmente vende o estoque, o ganho não realizado é realizado. Somente após a venda do estoque, a transação é concluída e o dinheiro é cobrado, a empresa pode reportar o resultado como resultado realizado no resultado.
Da mesma forma, se uma empresa possui um ativo, e esse recurso diminui em valor, então pode parecer intuitivamente que a empresa incorreu em uma perda nesse ativo. Por exemplo, digamos que uma empresa possui US $ 10.000 em estoque. Em seguida, o valor das ações mergulha em US $ 5.000. No papel, a empresa sofreu uma perda de papel de US $ 5.000. No entanto, a empresa não pode registrar os US $ 5.000 como perda na demonstração do resultado.
Esta perda de papel não será realizada até que a empresa realmente venda o estoque e leva a perda real. Até que as ações sejam vendidas, a perda em papel de US $ 5.000 só pode ser registrada como uma perda não realizada na outra conta de resultado abrangente acumulada na seção de patrimônio dos proprietários do balanço patrimonial.
Uma vez que a empresa realmente vende o estoque, a perda não realizada se concretiza. Somente após a venda do estoque, a transação é concluída e o dinheiro muda de mãos, a empresa pode reportar a perda como uma perda realizada na demonstração do resultado.
Adicione valor à sua empresa implementando hábitos de CFOs altamente eficazes. Ir rapidamente de cima para um valor-somador. Faça o download gratuito do Livro Branco de 7 hábitos de alto nível de CFOs.
Acesse seu Plano de Execução do Relatório Flash no Laboratório SCFO.
Clique aqui para acessar seu Plano de Execução. Não é um membro do laboratório?
Clique aqui para saber mais sobre SCFO Labs.
27 Respostas aos ganhos e perdas realizados e não realizados.
Obrigado a Jim por essa explicação clara e concisa sobre a diferença entre os dois. Eu sou um estudante universitário em tempo integral e ouvi tantas vezes do meu professor as duas palavras, mas até agora não consegui distinguir entre as duas. Os exemplos que você deu são simples e fáceis de entender e aplicar. Estimado. Shashi.
Ame essa explicação, tão simples e correta.
Jim, uma pergunta sobre o mesmo. Quando o caixa e os equivalentes de caixa do final do ano são reavaliados, o ganho / perda subsequente decorrente do mesmo é realizado / não realizado?
Pelo que entendi, todos os ativos e passivos reavaliados no final do ano dão origem a diferenças cambiais não realizadas. Mas, praticamente, o caixa e os equivalentes de caixa são de natureza muito líquida, e as diferenças não devem ser realizadas? Por favor, esclareça isso. Obrigado.
Responda a Jatin e um esclarecimento na explicação acima:
Não é que os ganhos não realizados são registrados em Outros Resultados Abrangentes de todos os ativos e passivos. Como se a Propriedade, a planta e o equipamento estejam mantidos ao custo histórico conforme IAS & # 8211; 16, não há dúvida de nenhum ganho ou perda. É somente se você seguir a política de manter os ativos em & # 8220; valores reavaliados & # 8221; o ganho ou perda na & # 8220; reavaliação & # 8221; pode surgir que deve ser gravado em Other Compr. Renda. (Apenas ganho, perda a ser reconhecida em lucro ou perda # 8211; referir IAS 16 para tratamento completo). Da mesma forma, para o estoque, o IAS-2 afirma que estes devem ser mantidos em # # 8220; menor custo e valor real de rede). Não podemos reconhecer nenhum ganho não realizado em nossas ações conforme IAS -2. Temos de registrar perdas não realizadas no entanto, e é em Porfit and Loss. Não podemos revalorizar & # 8220; Cash in Hand & # 8221; mas se quiser perguntar sobre a reavaliação de investimentos de curto prazo ou moeda estrangeira (geralmente referidos como equivalentes de caixa) do que estes são tratados de acordo com a IFRS -9, segundo a qual a questão de onde os ganhos / perdas serão reavaliados depende da designação inicial do ativo.
As coisas não são tão simples quando você deve reportar de acordo com os Padrões de Contabilidade, mas para a compreensão básica, a explicação acima será suficiente.
De acordo com o GAAP, ganhos / perdas não realizados em títulos * disponíveis para venda * são colocados em OCI, como diz este artigo. Mas os ganhos / perdas não realizados em * títulos de negociação * são colocados na demonstração do resultado (assim como ganhos / perdas realizados). Os títulos de negociação são diferentes dos títulos disponíveis para venda em que eles devem ser negociados com freqüência (por exemplo, em dias ou semanas).
Alguém poderia me ajudar na compreensão da reavaliação do FX no caixa e equivalentes de caixa.
Nas contas de compensação bancária, as transações são lançadas no ganho / perda realizado com base na transação real. Mas a principal conta bancária sendo uma conta não OIM tem um saldo acumulado que no final do mês foi reavaliado e a FX foi lançada em ganhos / perdas não realizados e o mesmo é revertido automaticamente no próximo mês. Isso foi feito há anos juntos e a reavaliação ocorre em um saldo acumulado. Por que é necessário reverter automaticamente a entrada?
Como isso está refletido na declaração de fluxo de caixa?
Hallo, quando você reavaliar os saldos do fechamento dos bancos, deve usar uma conta realizada ou não realizada.
use uma conta não realizada.
Oi, muito obrigado pela sua explicação. É muito simples e claro. Embora eu tenha um problema com a compreensão de como os passivos financeiros podem fazer uma perda ou ganho, para que estes sejam reconhecidos em oci ou p & amp; l. Uma amostra de cálculo seria mais útil, obrigado.
Você pode argumentar por que, em uma entrada no diário, usar-se-iam termos como & # 8220; ganhos de capital não realizados & # 8221; ou "perda de renda não realizada" e # 8221 ;. Estou tendo dificuldade com esclarecimentos depois de ler suas informações acima.
Oi, obrigado pela sua boa explicação. você pode agradar mais ganhos e perdas não realizados nos bancos. podemos registrar o valor do ganho e perda não realizados na demonstração de resultados. O ganho e a perda não realizados afetarão nossos lucros ou prejuízos nos bancos.
Oi, se eu fizer centenas de transações por ano, como podemos acompanhar todos esses ganhos realizados? Alguns são vendidos, metade deles é vendido uma certa porcentagem e depois continuo investindo de volta. Então, cada vez que eu vender, registro meu lucro e, então, quando eu comprar novamente com meu princípio e meu lucro que juntos serão chamados de princípio agora?
Obrigado pela sua útil resposta.
Eu também tenho uma pergunta.
Suponhamos que tenhamos um ganho não realizado no valor de US $ 45 contra 100 unidades no início do ano. Ao longo do ano, investimos 10 unidades mais e também recebemos dividendos em investimentos com US $ 2 e bônus igual a US $ 1.
No final do ano, fv de investimento é de 0,7 $, o que será ganho não realizado e como o ganho não realizado na abertura será ajustado durante o ano.
Muito obrigado pelas explicações concisas desses dois. Antes disso, estas sempre tinham sido preocupações para mim. No entanto, vou precisar de mais esclarecimentos sobre os efeitos do ganho ou perda de câmbio realizado ou não realizado na tributação das empresas.
olá, por favor, como periodizamos os ganhos / perdas realizados e não realizados?
Jim, uma pergunta sobre o mesmo. Quando o caixa e os equivalentes de caixa do final do ano são reavaliados, o ganho / perda subsequente decorrente do mesmo é realizado / não realizado?
Pelo que entendi, todos os ativos e passivos reavaliados no final do ano dão origem a diferenças cambiais não realizadas. Mas, praticamente o dinheiro e os equivalentes de caixa são de natureza muito líquida, as diferenças do mesmo não devem ser realizadas? Por favor, esclareça isso. Obrigado.
Qual é a resposta a esta pergunta? por favor. Obrigado.
E se você vende um estoque? O valor do ganho realizado será proporcional apenas aos estoques vendidos?
Me desculpe, venda metade das ações totais ** foi o que eu quis dizer.
E a tradução em dinheiro no banco de outra moeda na data do balanço? É realizado ou não realizado? Obrigado.
A minha pergunta é que você tem faturas não resolvidas em contas a pagar no final do exercício contábil e você reavaliou as faturas na tarifa nominal. Isso não é ganho ou perda não realizada? Como isso deve ser relatado na demonstração do resultado? Esse ganho ou perda não realizada deve ser reconhecido na demonstração do resultado? Aguardando sua resposta. Obrigado.
Minha pergunta é que são contas de fornecedores não resolvidas em contas a pagar no final do exercício contábil e essas faturas foram reavaliadas. O ganho ou perda não realizado, como será reportado na demonstração do resultado? Deve ser reconhecido no resultado quando não realizado? Obrigado.
Podemos compensar o ganho não realizado com a perda não realizada?
Isso é realmente explícito, conciso e bem tratado.
Digamos que a demonstração de resultados não fornece uma divulgação detalhada sobre ganhos (perdas) não realizados em títulos de negociação, mas a demonstração do fluxo de caixa fornece esses valores. Além disso, as notas sobre as finanças auditadas indicam ganhos (perdas) não realizados estão registrados no CPV. Como analista de crédito, se eu sentir que não fazem parte da renda operacional / usual da empresa, devo inserir ou transferir esses números para os itens não usuais # 8221; em meus spreads financeiros?
Oi, eu tenho o seguinte item.
Tenho um fundo em euros com um item de GBP Portfolio.
Preço de custo 100 GBP.
Avaliação de 120 GBP.
Portanto, reavaliação de GBP 20.
Suponha que a valoração deste traduzido em EUR seja 150.
Agora, minha avaliação continua a ser a mesma para o próximo período em GBP (120)
Se eu revalorizar a nova taxa, meu valor de EUR é 160.
o movimento de 10 euros é lançado para ganhos menos perdas não realizadas versus balanço não realizado reval ou é postado como um resultado forex.
minha pergunta não realizada ganha menos perdas e revalorizado; é um resultado forex ou um movimento no resultado de ganhos.
Oi, eu gostaria de perguntar, se o ganho realizado provir de negociações físicas (por exemplo, futuros / adiantamentos), podemos classificar esse ganho realizado em & # 8220; receita total obtida & # 8221 ;. Isso segue a idéia de que o papel ganha = perda física. Da mesma forma, poderíamos considerar a perda realizada sob o & # 8220; Custo dos produtos vendidos & # 8221 ;? Aguarde com expectativa o seu conselho!

Dedutibilidade das Flutuações Cambiais no caso de Ativos de Capital.
O presente artigo trata do tratamento de flutuações de câmbio ("forex") no cálculo da renda total em caso de ativos de capital adquiridos usando recursos emprestados de fora da Índia sob a forma de BCE, empréstimos e pagamento a fornecedores ("fundos emprestados") . 1. Empréstimo em moeda estrangeira para aquisição de:
Imobilizado imobilizado imobilizado.
2. A transação acima pode resultar em seguintes tipos de ganho ou perda cambial, quer no reembolso da parcela do empréstimo / pagamento ao fornecedor, quer na atualização do empréstimo em moeda estrangeira em dívida emprestado ou em juros acumulados ou pagamento de juros sobre esses fundos emprestados.
O tipo de ganho ou perda acima mencionado na flutuação cambial para empréstimos em moeda estrangeira usado para Imobilizado importado é negociado pela seção 43A da Lei do Imposto de Renda, 1961, que prevê:
Não obstante qualquer disposição contida em qualquer outra disposição desta Lei, quando um avaliador adquiriu algum ativo em qualquer ano anterior de um país fora da Índia para fins de sua empresa ou profissão e, em consequência de uma alteração na taxa de câmbio durante qualquer período anterior ano após a aquisição desse activo, há um aumento ou redução no passivo do avaliador, conforme expresso em moeda indiana (em comparação com o passivo existente no momento da aquisição do ativo) no momento do pagamento -
(a) para a totalidade ou parte do custo do ativo; ou.
(b) para o reembolso da totalidade ou de parte dos recursos emprestados por ele de qualquer pessoa, direta ou indiretamente, em qualquer moeda estrangeira especificamente para fins de aquisição do bem junto com juros, se houver,
O montante pelo qual a responsabilidade acima mencionada é tão aumentada ou reduzida durante o ano anterior e que é levado em consideração no momento do pagamento, independentemente do método de contabilização adotado pelo avaliador, deve ser adicionado ou, como o caso pode ser deduzido de
(i) o custo real do activo conforme definido na cláusula (1) da seção 43; ou.
(ii) o montante da despesa de capital referido na alínea (iv) da subsecção (1) da seção 35; ou.
(iii) o montante da despesa de capital referido na seção 35A; ou.
(iv) o montante da despesa de natureza capital referida na cláusula (ix) da subsecção (1) da seção 36; ou.
(v) o custo de aquisição de um bem de capital (não sendo um bem de capital referido na seção 50) para os fins da seção 48,
e o valor recebido após tal adição ou dedução deve ser considerado o custo real do ativo ou o montante da despesa de capital ou, conforme o caso, o custo de aquisição do capital social acima mencionado:
Desde que, quando uma adição ou dedução do custo real ou despesa ou custo de aquisição tenha sido feita de acordo com esta seção, como ficou imediatamente antes da sua substituição pela Lei de Finanças de 2002, em razão de um aumento ou redução no passivo como acima referido, o montante a ser adicionado ou, conforme o caso, deduzido ao abrigo desta seção, o custo real ou a despesa ou o custo de aquisição no momento da realização do pagamento serão ajustados de tal forma que o valor total adicionado, ou, se for o caso, deduzido do custo real ou despesa ou custo de aquisição, é igual ao aumento ou redução do passivo acima mencionado, tomado em consideração no momento do pagamento.
♠ As disposições acima da seção 43A da Lei do Imposto de Renda são resumidas a seguir:
Onde o avalista adquiriu algum ativo de um país fora da Índia. Os ativos são adquiridos para fins de negócios ou profissões. Em consequência da alteração na taxa de câmbio, há aumento / diminuição do passivo do avaliador expresso em moeda indiana em relação ao custo dos ativos ou reembolso do dinheiro emprestado para aquisição de capital, juntamente com juros em moeda estrangeira. Esse aumento ou redução no passivo deve ser adicionado ou deduzido do custo real dos ativos quando pagos ou recebidos.
♠ Portanto, em vista do mesmo, quando os empréstimos em moeda estrangeira são utilizados para a aquisição de ativos importados sendo ativos adquiridos de fora da Índia, o ganho ou perda decorrente de determinada situação é negociado como abaixo:
Tratamento da perda cambial decorrente da reavaliação de empréstimos comerciais externos (BCE) para ativos adquiridos na Índia. Se essa perda pode ser capitalizada com o custo dos ativos ou pode ser reivindicada como perda de receita.
A questão é se o ganho de flutuação cambial em empréstimos em moeda estrangeira emprestado para adquirir ativos fixos indígenas e / ou imobilizado importado é cobrado ao imposto de renda. As possíveis questões podem ser as abaixo:
Se o ganho ou perda é de natureza capital ou natureza de receita. Se ganho ou perda for de natureza capital, então, se o mesmo pode ser tributado como tal. Se não puder ser tributado, se o mesmo pode ser reduzido do custo dos ativos.
Ratio para identificar se um recibo específico é recebimento de capital ou recibo de receita é estabelecido pelo Supremo Tribunal Supremo nos seguintes casos:
Sutlej Cotton Mills Ltd. vs. CIT - 116 ITR 1 (SC) (1979) CIT vs. Tata Locomotive and Engineering Company Ltd. - 60 ITR 405 (1966) (SC) CIT vs. V. S.Dempo & amp; Co Pvt. Ltd (206 ITR 291) (1994) (HC-Bombay) CIT vs Woodward Governor India P. Ltd (312 ITR 254) (2009) (SC). DCIT vs Maruti Udhyog Ltd. 101 TTJ 760 (ITAT) Petróleo e gás natural Corpn. Ltd vs. DCIT 77 TTJ 387 (ITAT) Silicon Graphics Índia Pvt Ltd vs. DCIT 106 TTJ 1153 (ITAT) CIT vs Tata Iron & amp; Steel Co Ltd 99 Taxmann 459 (SC)
♠ No caso de Sutlej Cotton Mills Ltd. vs. CIT - 116 ITR 1, o tribunal de Apex observou que:
"Se a perda sofrida pelo avaliador foi uma perda comercial ou não, dependerá da resposta à questão, se a perda foi relacionada a um ativo de negociação ou a um bem de capital. No primeiro caso, seria uma perda comercial, mas não assim no último. O teste também pode ser formulado de outra forma, perguntando se a perda ocorreu em relação ao capital circulante ou em relação ao capital fixo "
Observações adicionais feitas no caso acima referido, se o valor em moeda estrangeira for utilizado ou destinado a ser utilizado no curso de negócios ou para fins comerciais ou para efetuar uma transação na conta de receita, perda decorrente da depreciação em seu valor por alteração na taxa de câmbio seria uma perda de negociação, mas se o valor for mantido como um activo de capital, o prejuízo decorrente da depreciação seria uma perda de capital.
♠ No caso de CIT vs V. S. Dempo & amp; Co Pvt. Ltd (206 ITR 291), que estabeleceu princípios específicos para decidir se perda / ganho decorrente de flutuações cambiais é de natureza de receita ou capital, do que no parágrafo 5 dos referidos princípios que diz o seguinte:
"A perda resultante da depreciação da moeda estrangeira que é utilizada ou destinada a ser utilizada no negócio e faz parte do capital circulante, seria uma perda de negociação, mas a depreciação do capital fixo em função da alteração na taxa de câmbio seria a perda de capital"
Os princípios acima foram seguidos por vários tribunais ao decidir se a perda ou ganho cambial é de natureza capital ou de receita.
Por conseguinte, conclui-se que é necessário ver a natureza da utilização do montante do empréstimo em moeda estrangeira, se for uma finalidade de capital, a perda não é dedutível sendo de capital. No entanto, o custo dos juros sobre o referido empréstimo é um item de receita de natureza, a perda de juros pagos e os juros acumulados são dedutíveis.
A. Base de determinação de capital ou natureza de receitas sendo o conceito de utilização é vago:
Deve-se notar que a base de determinação de que qualquer perda ou ganho decorrente da flutuação cambial em relação aos fundos emprestados deve ser de natureza de capital ou a natureza da receita é baseada na utilização do referido montante do empréstimo. Deve-se notar que, ao levantar o empréstimo, não há capital próprio e, portanto, as despesas com o levantamento de empréstimos devem ser tratadas como receita na natureza. Além disso, a variação no montante do empréstimo não tem influência no custo do ativo, pois o empréstimo é uma transação distinta e independente, em comparação com a aquisição de ativos fora do referido montante do empréstimo emprestado. A reivindicação de perda de flutuação cambial como receita em contagem é fundada em fortes argumentos legais. Deve notar-se que a utilização do montante do empréstimo não tem nada a ver com a permissão de qualquer despesa relacionada com o reembolso do empréstimo. Ambos são de natureza independente e distinta. Note-se que a seção 43A especificamente e categoricamente prevê ajustes no custo do ativo por perda ou ganho decorrente de flutuações cambiais em relação aos fundos emprestados em moeda estrangeira. No entanto, o mesmo racional não pode ser aplicado a perda ou ganho decorrente da perda em moeda estrangeira utilizada para a compra de ativos indígenas.
Se aplicarmos a base, conforme determinado por várias jurisprudências citadas acima, cada empréstimo / responsabilidade exige que seja analisado a partir do ângulo de uso desse empréstimo ou responsabilidade. E a aplicação dos critérios utilizados para a determinação das despesas / perda / ganho relacionados ao empréstimo / passivo é de natureza capital ou natureza de receita depende inteiramente da utilização de empréstimos / fundos emprestados. Se for esse o caso, o custo de juros permitido nos termos da seção 36 (1) (iii) da Lei também exigirá para analisar se o empréstimo em relação ao qual esse custo de juros pertence é usado para operações de conta de capital ou transações de contas de receita que resultar em custos de permuta de juros atribuíveis a transações da conta de receita. A seção 36 (1) (iii) não contempla esse tipo de custo de divisão de juros e, portanto, permite a dedução do mesmo. A seção 36 (1) (iii) permite a dedução das despesas com juros em relação ao empréstimo que, em última instância, utilizou para operações de receita e de conta de capital. O mesmo também é seguido de forma consistente por outras seções da Lei do imposto sobre o rendimento para a admissibilidade de qualquer despesa relacionada com a responsabilidade incorrida. Portanto, a base de decisão nos vários casos acima mencionados é inválida e requer uma nova análise. Por conseguinte, em nossa opinião, a conclusão do empréstimo para a conta de capital ou a finalidade da conta de receita não tem nada a ver com a admissibilidade de qualquer despesa relacionada com a responsabilidade ou empréstimo levantado em moeda estrangeira. Esta é uma questão de litígio que requer um maior argumento legal forte nesta área.
B. A Seção 45 traz taxa específica de tributação de recebimentos de capital ou de perda de capital:
Uma análise mais aprofundada no que se refere à taxabilidade de perda ou ganho considerando o mesmo que a perda de capital exige seguir entendendo:
Um recibo de receita é tributável como renda, a menos que esteja expressamente isento de acordo com a Lei. Por outro lado, um recibo de capital geralmente está isento de imposto, a menos que seja expressamente tributável nos termos da seção 45. No caso em questão, as disposições da seção 45 ou qualquer outra seção do capítulo sob o título ganhos em capital em nenhum lugar cria cobrança no acima da renda / permite o mesmo que a perda de capital.
C. Significado do custo real conforme previsto na seção 43 (1):
A questão seguinte é a questão de saber se o ganho ou perda pode ser reduzido ou adicionado de / para o custo de ativos de acordo com as disposições da seção 43 (1) da Lei de Imposto de Renda. De acordo com a seção 43 (1), o custo real significa o custo real dos ativos para o avaliador, reduzido pela parcela do custo, como foi cumprido direta ou indiretamente por qualquer outra pessoa ou autoridade. A seção também tem doze explicações, no entanto, a seção não especifica que qualquer ganho ou perda em empréstimo em moeda estrangeira adquirido para aquisição de ativos indígenas terá que ser reduzido ou adicionado ao custo dos ativos.
D. Decisão contrajudicial da CIT V. Tata Iron and Steel Co. Ltd e Sutlej Cotton Mills Ltd. vs. CIT - 116 ITR 1 (SC) (1979)
Além disso, no caso do CIT V. Tata Iron and Steel Co. Ltd. (1998) 231 ITR 285, onde foi considerado que o custo de um ativo e o custo de arrecadar dinheiro para compra de ativos são duas transações e eventos diferentes e independentes subsequentes a A aquisição de ativos não pode alterar o preço pago. Portanto, as flutuações na taxa de câmbio ao reembolsar as parcelas de empréstimos estrangeiros levantados para adquirir ativos não podem alterar o custo real dos ativos para a depreciação computacional. Por isso, restringe o direito do avaliador de adicionar a perda provocada por flutuações cambiais ao custo do ativo. Por isso, a decisão dada por Sutlej e Tata Iron and Steel é contrária em opiniões. No caso anteriormente mencionado, restringe o direito do avaliador de reclamar essa perda em flutuações cambiais considerando o mesmo que atribuível às transações de capital e, ao mesmo tempo, não permite adicionar o mesmo ao custo do ativo, seguindo o princípio estabelecido em Tata Caixa de ferro e aço.
E. AS-11 obrigatório a ser seguido quando I T Act é silencioso para tratamento de taxabilidade.
Anexo VI da Lei das Empresas, sugere o tratamento do & # 8216; ganho / perda; # 8217; como capital em natureza e deve ser ajustado ao custo do ativo relevante, enquanto as Normas Contábeis 11 sugerem que o tratamento de # 8216; ganho / perda / 8217; atribuível a empréstimos estrangeiros deve ser refletido na conta de ganhos e perdas. (Consulte o parágrafo 13 do AS-11 emitido pelo ICAI). No entanto, o referido conflito foi resolvido pela Circular da MCA, foi esclarecido pela MCA que o tratamento contábil das diferenças cambiais será feito de acordo com o AS 11 e ainda menciona categoricamente que as disposições da AS-11 devem ser seguidas, independentemente da disposição relevante do Schedule - VI à Lei das Companhias de 1956. Portanto, tendo em vista o mesmo, a diferença de câmbio deve ser reconhecida na conta de ganhos e perdas. Assim, qualquer perda resultante da flutuação da moeda estrangeira pode ser deduzida do cálculo da renda total.
O Companies Act 2013 exige que as demonstrações financeiras das empresas sejam compatíveis com as Normas Contábeis aplicáveis ​​(incluindo AS-11). Assim, o ganho / perda cambial é reconhecido nas demonstrações contábeis de acordo com a AS-11 e pode ser adotado princípios de contabilidade geralmente aceitos, conforme previsto em várias Normas Contábeis emitidas pela ICAI na ausência de provisões específicas na Lei do Imposto de Renda em relação ao tratamento do ganho ou perda de flutuação cambial. O princípio acima é seguido no caso de Prakash Leasing Ltd. [2012] 23 taxmann 3 (Kar.), Considerou-se que:
"Na ausência de qualquer disposição específica na Lei que trata sobre o assunto, quando a Norma Contábil é agora tomada como base na manutenção das contas para fins de imposto de renda, mesmo que o Governo Central não tenha notificado no Boletim Oficial o Padrões de Contabilidade, certamente as Normas de Contabilidade prescritas pelo Instituto de Contadores Públicos devem ser seguidas. Por conseguinte, o raciocínio das autoridades, embora a reclamação do avalista baseie-se em tais Normas de Contabilidade do ICAI ao decidir se o recebimento de dinheiro é tributável ou não, que deve ser decidido de acordo com as disposições da lei e não em de acordo com a prática contábil, não tem substância, pois não há inconsistência entre a referida prática contábil e quaisquer disposições da Lei ".
F. O propósito do empréstimo não determina a natureza das despesas:
Além disso, a natureza das despesas sendo capital ou receita não depende da finalidade para a qual o empréstimo em moeda estrangeira é obtido ou sobre a natureza da utilização final do montante do empréstimo. O mesmo também é afirmado pelo tribunal Apex no caso de India Cements Limited vs. CIT (1966) (SC) 60 ITR 52.
G. Rational aplicado no caso de CIT vs. Tungabhadra Industries Ltd para permitir o pagamento de prémio pago em debenture redenção:
É de notar que a obrigação de pagar ou de prever perda em função da flutuação cambial não surge no momento da obtenção / levantamento de empréstimo em moeda estrangeira, mas o mesmo foi incorrido posteriormente na desvalorização da moeda, que é um evento independente que não possui controle sobre ele pelo avaliador. A mesma flutuação da moeda pode resultar em ganho ou perda que não é verificável no momento da captação de recursos. Por isso, não pode ser dito como despesa de capital. A responsabilidade de pagar ou de prever flutuações nas moedas estrangeiras surge somente na desvalorização da moeda. E pode não haver qualquer responsabilidade em pagar pela perda na flutuação monetária se o valor da moeda for inflacionado posteriormente. Um raciocínio similar também foi aplicado para a aceitação do prêmio de resgate de debêntures pagável no momento do resgate, conforme confirmado no caso de CIT vs. Tungabhadra Industries Ltd 76 Taxmann 185 (HC) (1994).
H. Análise da decisão do tribunal de ápice no caso de CIT vs. Woodward Governor India (P.) Ltd. 312 ITR 254 (SC) (2009):
A questão da questão envolvida no caso acima mencionado foi "Se o avalista tem o direito de ajustar o custo real dos ativos importados adquiridos em moeda estrangeira em função da flutuação na taxa de câmbio em cada data do balanço, pendente do pagamento efetivo da variação responsabilidade?"
A decisão acima mencionada considerou a implicação do Parágrafo 10º da AS-11, juntamente com a seção 43A da Lei. Ao decidir o problema, foi observado pelo tribunal de ápice Hon'ble no parágrafo 17:
"Tendo chegado à conclusão de que a avaliação faz parte do sistema contábil e chegou à conclusão de que as perdas de negócios são dedutíveis nos termos da seção 37 (1) com base em princípios comuns de contabilidade comercial e chegando à conclusão de que a Central O governo tornou obrigatório o Accounting Standard-11, agora é necessário examinar o referido Padrão de Contabilidade (& # 8220; AS & # 8221;) ".
O tribunal da Apex decidiu, no assunto acima, tratar o ganho ou perda cambial decorrente da aquisição de ativos fixos em moeda estrangeira de acordo com o tratamento estabelecido na AS-11 (Revisado em 1994). O parágrafo 10 da AS-11 (revisado em 1994) fornece como abaixo:
& # 8220; 10. As diferenças de câmbio decorrentes do reembolso de passivos incorridos com a finalidade de aquisição de ativos fixos, que constam em termos de custo histórico, devem ser ajustadas no valor contábil dos respectivos ativos fixos. O valor contábil desses ativos fixos deve, na medida em que ainda não seja ajustado ou de outro modo, ser ajustado para contabilizar qualquer aumento ou diminuição do passivo da empresa, conforme expresso na moeda de referência, aplicando a taxa de fechamento, para efetuar o pagamento total ou parcial do custo dos bens ou para o reembolso da totalidade ou de parte dos valores emprestados pela empresa de qualquer pessoa, direta ou indiretamente, em moeda estrangeira especificamente para fins de aquisição desses ativos . & # 8221;
O AS-11 (Revisado em 1994) prevê o ajuste no custo de aquisição de ativos fixos adquiridos em moeda estrangeira, devido à flutuação cambial em cada data de balanço que também corresponde ao tratamento previsto na seção 43A. A questão, por conseguinte, foi decidida pelo tribunal de ápice, de acordo com as modalidades estabelecidas na AS-11 (revisão de 1994) no Pará-10.
No entanto, agora é necessário reconsiderar a decisão acima em vista da AS-11 (Revisada em 2003) em que, no Pará 13, que prevê a revisão no tratamento do ganho ou perda cambial. O tratamento revisado previsto no Pará 13 da AS-11 (Revisado em 2003) é o seguinte:
"13. As diferenças de câmbio decorrentes da liquidação de itens monetários ou a divulgação de itens monetários de uma empresa a taxas diferentes das que foram inicialmente registradas durante o período, ou reportadas em demonstrações financeiras anteriores, devem ser reconhecidas como receita ou como despesas no período em que eles surgem, com exceção das diferenças cambiais tratadas de acordo com o parágrafo 15. "
Em vista da revisão feita na AS-11 em 2003, pode-se dizer que o tratamento da perda cambial decorrente de flutuações cambiais em relação ao ativo imobilizado adquirido através de empréstimo em moeda estrangeira deverá ser registrado na conta de ganhos e perdas. A referida perda cambial deve ser permitida como despesa de receita com vista à alteração da AS-11 (2003). Pode-se notar que o tribunal de ápice seguiu o tratamento de perda / ganho cambial de acordo com AS-11 (1994). Em vista da revisão feita na AS-11, agora o tratamento será conforme a AS-11 (2003) revisada. Consequentemente, o ganho ou perda cambial sobre as flutuações cambiais em relação ao empréstimo em moeda estrangeira adquirido para aquisição de imobilizado deve ser permitido como despesa de receita.
5. Com base nos argumentos legais acima mencionados de A a H, pode-se dizer que a empresa avaliadora pode ser autorizada a deduzir qualquer perda decorrente de flutuações cambiais em relação ao empréstimo em moeda estrangeira obtido e usado para aquisição de ativos indígenas. Isso é objeto de litígios altamente discutíveis.
Disclaimer: Os pontos de vista aqui expressos são baseados na interpretação do material disponível e na análise de vários pronunciamentos judiciais. Não se afirma que as autoridades fiscais concordem com as opiniões expressas. As opiniões são baseadas nas disposições vigentes da Lei e sua interpretação, que estão sujeitas a alterações de tempos em tempos.
Mais sob imposto de renda.
Postado abaixo.
6 respostas a & # 8220; Dedutibilidade de Flutuações de Câmbio em caso de Ativos de Capital & # 8221;
AS por AS-11, diferenças cambiais decorrentes da liquidação de itens monetários a serem transferidos para P & amp; L, mas.
e sobre os itens não monetários, seja para transferência para P & amp; L ou ajuste de Custo de ativos.
porque o Sec. 43A do conflito de imposto de renda.
O que deve ser feito se o capital social assim adquirido usando o empréstimo for vendido antes do reembolso total do empréstimo?
Como a flutuação cambial decorrente da venda do imobilizado durante o subsequente reembolso e correção monetária deve ser tratada?
Você pode me informar o tratamento quando um empréstimo separado não é aproveitado para comprar o Ativo Fixo em vez disso, o cliente estrangeiro paga as compras de Ativo Fixo pela Indian Company, onde o cliente nos EUA teve que pagar pela exportação de bens / serviços fornecidos para ele em abril & # 8217; 14 e ele pagou pelo ativo fixo comprado pela empresa indiana on-line durante o mês de junho & # 8217; 15. Qual será o tratamento para perda cambial / lucro na liquidação do valor a receber do cliente estrangeiro de acordo com AS11.
Qual é o tratamento da perda cambial sobre empréstimos (BCE) e seu efeito sobre ativos fixos. Como o padrão de contabilidade agora prevalece no horário VI, então qual é o status agora. Quero dizer, agora podemos mostrar essa perda nos lucros e perdas. Anterior Sch. O VI exigiu que essa perda fosse ajustada em relação ao custo dos ativos fixos, mas o padrão de contabilidade agora tem função predominante, de acordo com o padrão de Contabilidade, agora devemos mostrar esse tipo de perda cambial na conta de ganhos e perdas.
O artigo é claro nos aspectos tratados por ele, e sobre a opção exercida pelas empresas para capitalizar a variação da taxa de câmbio, pós AS11 (revisada) de acordo com as Circulares MCA,
O ganho ou a perda de flutuação cambial sobre o pagamento de juros são de natureza fiscal, caso seja ajustado em custo ou tributável como item de receita? Eu sou da opinião de que apenas a flutuação cambial sobre os juros que são capitalizados deve ser ajustada a partir do custo e o restante das flutuações deve ser permitido / tributado como despesa / receita de receita. Confirme gentilmente.
Deixe uma resposta Cancelar resposta.
Últimas postagens.
Posts Populares.
Junte-se a nossa newsletter. Nós vamos fornecer informações reais sem spam ou fluff.

Ganho ou perda de Forex em ativos fixos
Taxa de dólar em pak rupia forex pak Forex iloilo Forex curso de mestrado Forexpros futuros de ibex Xforex legit [IAS] Além disso, a contabilidade não deve depender de qual entidade dentro do grupo realiza uma transação com a operação no exterior. [IAS A] Se um ganho ou perda em um item não monetário for reconhecido em outros resultados abrangentes (por exemplo, uma reavaliação de propriedade de acordo com IAS 16), qualquer componente de troca de interpretações relacionadas · Etapas básicas para tradução · Estrangeiros transações de moeda. Concordamos em comprar um activo em EUR. Pagamos um depósito há um ano e depois vários pagamentos este ano. Cada vez que pagamos a taxa foi diferente para o euro que pagamos. Precisamos reconhecer qualquer ganho ou perda devido a flutuações cambiais? Ou porque acabamos de gravá-lo de forma líquida? Seja qual for o valor dos EUA foi cada vez e esquecer. Foram obtidos empréstimos impugnados para adquirir o capital social. Portanto, a perda reclamada em função da flutuação na taxa de câmbio não pode ser que qualquer ganho ou perda em empréstimos em moeda estrangeira adquiridos para aquisição de ativos indígenas tenha que ser reduzido ou adicionado aos custos dos ativos.
Em, mas os comerciantes, a disposição que você pode organizar como desarmar uma nota incompleta é autêntica com antecedência. Tubby que o máximo que você apenas está realizando duas opções é obtido para o total de transações que você planta em nome, você faz uma profecia adequada novamente.
Você preservar tem a compra por pouco antes de poder aparecer em solitário.
Ira Foreex Brokers.
Aqui estão os 10 principais conceitos de opções que você deve entender antes de fazer seu primeiro comércio real:

Contabilização de pagamentos antecipados em moeda estrangeira de acordo com as IFRS.
As transações em moedas estrangeiras às vezes são um pesadelo.
Obviamente, estamos negociando uns com os outros, nossas próprias moedas são diferentes e as taxas de câmbio estão pulando constantemente.
Estamos todos conscientes das regras básicas em relação à seleção da taxa de câmbio apropriada para aplicar.
Quando se trata de transações mais complicadas, então é difícil aplicar as regras. Muitas vezes, recebo uma e a mesma pergunta:
"Desde a Silvia, nós entramos em um contrato de produção e entrega de uma máquina específica para nossos negócios e pagamos o primeiro pagamento inicial em moeda estrangeira.
Qual é a contabilidade correta para pagamentos antecipados em moeda estrangeira de acordo com as IFRS? Como as IFRS tratam o efeito da mudança das taxas de câmbio?
Deixe-me dizer-lhe que aqui, não é tudo preto ou branco.
Depende de mais fatores, especialmente a natureza de um pré-pagamento específico.
Deixe-me explicar o porquê e como. E deixe-me ilustrar 2 cenários diferentes nos exemplos.
O que as regras dizem?
Como traduzir Como traduzir montantes em moeda estrangeira para sua moeda funcional; Como traduzir as demonstrações financeiras de uma operação estrangeira para a moeda de apresentação.
Quando você registra suas transações em moeda estrangeira durante o ano, você está traduzindo os montantes em moeda estrangeira para sua moeda funcional.
O padrão IAS 21 prescreve:
Inicialmente, você deve calcular novamente todos os montantes em moeda estrangeira para sua moeda funcional à taxa de câmbio spot válida na data da transação; Posteriormente (isto é, após o reconhecimento inicial), em cada fechamento ou data de relato, você deve calcular novamente: Todos os itens monetários em moeda estrangeira usando taxa de câmbio de fechamento na data de relato; Todos os itens não monetários em moeda estrangeira são contabilizados pelo custo histórico utilizando a taxa de câmbio histórica (na data da transação); Todos os itens não monetários em moeda estrangeira são contabilizados pelo valor justo utilizando a taxa de câmbio na data em que o valor justo foi determinado.
Agora, vamos derrubar.
Existem dois aspectos cruciais para avaliar:
1. Data da transação.
É claro que, inicialmente, você deve usar a taxa de câmbio no local na data da transação para a tradução.
Mas aqui - qual é a data da transação?
É a data em que a transação primeiro se qualifica para reconhecimento de acordo com as IFRS.
Claro, pode ser diferente para vários itens, por exemplo:
Para passivos financeiros: quando uma entidade se torna parte de uma disposição contratual de um contrato; Para propriedades, instalações e equipamentos: quando é provável que os benefícios econômicos futuros do ativo flua para a entidade e o custo é confiável mensurável.
Embora isso pareça bastante direto, podem surgir algumas dificuldades na determinação da data da transação.
Por exemplo - você recebe mercadorias no dia 1, fatura para esses produtos no dia 3 e você paga esses bens no dia 4 - qual é a data da transação aqui? Qual taxa de câmbio deve ser aplicada - dia 1, 3 ou 4?
Vamos abordar isso em nosso exemplo, apenas continue lendo.
2. A natureza do pré-pagamento.
No que diz respeito à tradução subsequente à taxa de encerramento, a IAS 21 faz a diferença entre itens monetários e itens não monetários:
Os itens monetários são convertidos usando taxa de câmbio de fechamento; Os itens não monetários NÃO são reconduzidos, mas mantidos na taxa original ou histórica.
O pré-pagamento para o seu imobilizado é monetário ou não monetário? Bem, pode ser monetário ou não monetário!
Há uma coisa que faz a diferença:
Um direito de receber ou obrigação de entregar um número fixo ou determinável de unidades de moeda.
Os pagamentos antecipados como tal podem ou não levar esse recurso e você deve avaliar cada pagamento antecipado individualmente e com cuidado.
Leia o contrato específico - o que ele diz? O seu pagamento antecipado é reembolsável e em que condições?
Se houver uma cláusula de reembolsar o depósito - qual é a probabilidade de um reembolso?
Na maioria dos casos, os pagamentos antecipados feitos para a aquisição de ativos fixos ou quaisquer bens / serviços em geral raramente são reembolsáveis, ou a probabilidade é muito baixa.
Portanto, seu pré-pagamento para uma máquina é (na maioria dos casos) um item não monetário e, como resultado, você NÃO deve recalcular isso usando a taxa de fechamento no final do ano.
O exemplo a seguir mostrará como contabilizar um pré-pagamento para a aquisição de uma máquina se ela for classificada como ativo não monetário.
Exemplo 1 - Pré-pagamento para a aquisição de uma máquina.
Sua moeda funcional é de EUR e você entrou em um contrato para a produção de uma máquina com um fornecedor dos EUA.
O custo total de uma máquina é de USD 100 000, e você concordou em pagar em 2 partes:
Pagamento 1: USD 30 000 após a assinatura do contrato; Pagamento 2: USD 70 000 após a entrega da máquina.
As datas e taxas de câmbio relevantes são as seguintes:
Como e quando você deve explicar essas transações?
4 de fevereiro de 20X1: contrato assinado.
Em 4 de fevereiro de 20X1, você assinou um contrato.
No entanto, nenhum ativo pode ser reconhecido de acordo com a IAS 16 Propriedade, instalações e equipamentos, já que os critérios de reconhecimento não são atendidos.
Da mesma forma, é necessário avaliar se você deve reconhecer alguma responsabilidade financeira ou não.
Na maioria dos casos, nenhum passivo financeiro relacionado a compromissos firmes é reconhecido até que os bens sejam entregues (ou enviados, dependendo dos Incoterms), e os riscos e benefícios da propriedade passaram.
Conclusão: não contabilizado em 4 de fevereiro de 20X1.
11 de fevereiro 20X1: Você pagou o primeiro pagamento de USD 30 000.
Em 11 de fevereiro de 20X1, os critérios de reconhecimento para reconhecer uma máquina no IAS 16 ainda não são atendidos. Lembre-se, você ainda não possui máquina.
Neste ponto, você não pode controlar a máquina e, como resultado, "os benefícios econômicos futuros que fluem para a entidade" não são prováveis.
I know that many companies adopted similar practice – they simply book the first payment as debit PPE – machine and credit cash. It is NOT correct, as there is no machine.
So what is the correct entry on 11 February 20X1?
Debit Assets – prepayments for PPE: EUR 22 403 (USD 30 000 / 1.3391)
Credit Cash: EUR 22 403 (USD 30 000 / 1.3391)
In practice you would use the exchange rate depending on the circumstances:
If you paid USD 30 000 from EUR account: you use the rate at which your bank recalculated the transaction; If you paid USD 30 000 from your USD account: you apply some officially pronounced rate, e. g. rate by the European Central Bank.
31 December 20X1: The reporting date.
In this case, the prepayment of USD 30 000 for a machine is non-monetary .
This means no recalculation . Your statement of financial position will show the prepayment at the historical rate, that is in amount of EUR 22 403.
15 January 20X2: Machine delivered and ownership transferred.
This is exactly the date when you gain control over the machine. At this point, recognition criteria under IAS16 are met and you can recognize the machine as your own property, plant and equipment.
However, the invoice for the remaining part of USD 70 000 arrived on 20 January 20X2.
What currency rate should you apply?
At the date of transaction.
In this case, the date of transaction is 15 January 20X2, when a machine was delivered and the delivery gave rise to a financial liability.
As a result, your entry should be:
Debit Assets – machine (PPE): EUR 51 448 (USD 70 000 / 1.3606)
Credit Liabilities – suppliers: EUR 51 448 (USD 70 000 / 1.3606)
This is a very strict application of IAS 21 rules, but let’s be a bit more practical.
It might be acceptable to apply the exchange rate at the date of invoice rather than at the date of delivery of a machine, especially when there’s just a small delay in the invoice issuance.
However, if there’s some big change in foreign exchanges, you should really stick with the machine’s delivery date.
15 January 20X2: What about your prepayment?
On the machine’s delivery date, you need to recognize the machine and measure it at its cost.
A part of machine’s cost is your prepayment paid after contract’s signature. Cost of a machine is a non-monetary item, too – we recalculate nothing at all and keep it in historical rates.
Therefore, you do not recalculate anything and your entry is:
Debit Assets – machine (PPE): EUR 22 403.
Credit Assets – prepayments for PPE: EUR 22 403.
Now you may argue – but, the date when a machine appears in your financial statements is on delivery, so we should recalculate the full amount of USD 100 000 with the rate applicable on delivery.
Some companies apply this treatment, but it’s not really correct and presenting true and fair view of the transaction.
The truth is that on machine’s delivery, the recognition criteria are met and you need to recognize the machine at 1 point.
But, the measurement of its cost is a different matter.
Your real cost incurred is USD 30 000 translated with exchange rate on the date of the first payment and USD 70 000 translated with exchange rate on the date of delivery.
Please, just realize that the prepayment of USD 30 000 is no longer a USD asset. It is your EUR asset. Por quê?
Try to look at it this way: most non-monetary assets stop being “foreign currency” assets at the moment you recognize them in your accounts. So, you don’t have an asset (prepayment) of USD 30 000 in your books – instead, you have an asset (prepayment) of EUR 22 403.
2 February 20X2: Invoice is paid.
This should be crystal clear. You record your payment with the spot exchange rate on the date of payment and any difference is recognized in profit or loss.
Your entry would be:
Debit Liabilities – suppliers: EUR 51 448 (USD 70 000 / 1.3606)
Credit Cash: EUR 51 860 (USD 70 000 / 1.3498)
Debit P/L – Foreign exchange loss with EUR 412 (51 860 less 51 448)
The summary of all accounting entries is here:
Example 2 – Security deposit for long-term rental.
Your company (functional currency: EUR) wants to rent a property in Chicago for 12 months and pays a security deposit of USD 10 000. The deposit will be refunded at the end of rental term.
The relevant dates and exchange rates are as follows:
Here, the situation is a bit different because as a prepayment is refundable, it is a monetary asset .
When you make a payment, you translate it using the spot exchange rate at the date of payment .
Subsequently, you need to translate it using the closing rate on 31 December 20X1 and recognize any foreign exchange difference in profit or loss.
Here’s the summary of accounting entries:
What’s your own accounting practice related to deposits, prepayments or advances in foreign currencies? And, did this article help you?
Please, let me know in a comment below the article and if you know someone who can use this information, please share – thank you!
Update 05 February 2015: There was a great discussion on LinkedIn in relation to this topic. I answered several questions around, as this is very confusing topic and lots of us have some doubts around. Please, if interested, read here.
Get Free Report Top 7 IFRS Mistakes.
That You Should Avoid + IFRS Mini-course!
Learn top 7 IFRS mistakes that companies make in their reporting and how to avoid them easily!
You will also receive a valuable IFRS mini-course .
Fill out the form below to get your Free Report:
100% privacy and no spam, we promise.
72 Comments:
Thanks for writing this awesome article.
Will you please answer the following question?
If a company invests in 10,000 shares of its US based subsidiary at US$ 1 per share, will the parent company has to re-calculate the value of these shares in its separate accounts at the closing/reporting date in the following two different cases:
1.Shares are traded in the active market;
2.An active market does not exist for shares of subsidiary company.
thank you for the comment. I assume the functional currency of your company is NOT USD (otherwise you would not ask).
Well, by definition, shares are NON-monetary asset, because there is no right to receive fixed or predetermined amount of a currency.
However, the recalculation depends on how you classified these shares in your financial statements.
Is it the financial instrument? If yes, then how did you categorize it? If it’s at fair value (through profit or loss, or OCI) – then yes, you recalculate these shares by the exchange rate valid at the date of setting the fair value. In this case, exchange rate differences are a part of revaluation to fair value.
However, if you keep the shares at cost (for whatever reason), then you do not recalculate it, as it is a non-monetary asset NOT at fair value.
My dear, you have made accounting very interesting to me because, you have simplified most complex and difficult IFRS issues very simple and interesting.
Iwish you long and healthy life.
In case of Investments in shares or debts, Fx difference recognition place (P/L or OCI) depends upon its measurement classification category i. e. Amortized Cost, FVTPL or FVOCI under IFRS 9 and HTM, FVTPL of AFS under IAS 39.
Sure, but this does not contradict what I wrote above.
Thanks Silva for this educative endeavour. A company accrues rent income which it charges in a different currency on a monthly basis because it prepares its management accounts monthly. Is this a monetary item or non monetary? Which exchange rate must it use? Does the company need to re translate this item at the reporting date? I must add that the tenants do not necessarily pay before they move into premises. When they eventually pay, how do you treat it?
this issue is not that easy as it seems, and indeed, there are a lot of views on it. Therefore, IFRS Foundation added it to the agenda and will form some conclusion. In practice, the treatment varies, entity by entity, nation by nation.
If you are interested, please read this paper published in November 2014 by the IFRS Foundation - it will give you some approaches. (if the link does not work, please copy this to your browser: media. ifrs. org/2014/IFRIC/November/IFRIC-Update-November-2014.html#E )
Thank you Dear Silvia, i have a question, about the presentation of prepayments, when do you allocated? I reviewed the ifrs , and dont find this specificly , only IAS 1, mencioned about materiality in the presentation,
For example in PerГє if you have a prepayment about PPE, you should presentation that as PPE, is similar if you have a prepayment about inventory you should presentation that as inventory, It is correct with IFRS ??
unfortunately, there’s no specific guidance about this matter, so we need to apply general IAS 1 rules.
As the prepayment is long-term (you don’t expect to get it back within 12 months and it will turn to PPE one day), I would really present it in the separate line under your PPE – as”prepayments for the acquisition of PPE”. This is also what our own legislation requires. For me, it’s more appropriate to show it right next to PPE rather than somewhere in the long-term loans, receivables or so. Tenha um bom dia! S.
thanks for the article.
I have a slightly different question because I have a chf invoice booked in 2014 for expenses in 2015 bought using a chf bank account with chf bought in 2014 to pay off the chf invoice in Dec 2014.
We account in GBP being a UK company.
The invoice is a subscription for calendar year 2015.
In order to fix the cost for 2015 in gpb we bought chf in oct 2014 to pay off the invoice in chf.
We paid the invoice in Dec 2014.
we have accounted for the chf invoice using the chf in the bank and put the cost of the invoice using the chf bank to prepayments as at end of dec 2014 with view that this cost will be spread over 2015 evenly. The cost of the prepayment is equal to the cost of the chf paid from the chf bank.
Effectively we used the average rate as proxy for spot rate to book the chf invoice.
The chf bought to pay for invoice were booked at rate given and bought from the bank.
we accounted for paying off the supplier by using the average rate as proxy for spot rate to pay the invoice from supplier account.
All fx on the chf bank and supplier account went to P&L and then was journalled to prepayments so that the prepayment cost was the cost of buying the chf.
The company has always accounted for it this way but there is little guidance for this kind of situation in ifrs and would like some advice.
what are your views.
Can impairment be recorded on non-monetary assets (PPE under IAS 16) just because of exchange rate fluctuation?
Pursuant to ASC 255-10-55-1, advances to suppliers that are not related to a fixed-price contract are considered to be rights to receive credit for a sum of money, and not claims to a specified quantity of goods or services and are considered to be monetary items. In contrast, non-refundable advances to suppliers related to a fixed-price contract are classified as nonmonetary items because they are in effect claims for future goods and services and are recorded using the historical exchange rate.
Do you believe that the above is a gaap difference between US GAAP and IFRS?
Thank you for a good and useful article.
I would like to ask a question on advances received balances. Shall we also revalue the advances received in foreign currency from our customers?
In my opinion, until the conclusion is reached, I would assess whether these advances received are refundable or not. If they are refundable and it is probable that they will be refunded, then yes, I would revalue them. But if they are non refundable, then I would not treat them as monetary liability and would not revalue.
Thank you very much .. I was looking for the answer from a long time.
Thank you for your super helpful article. However, I have a question. Lets say a machine costs $100,00 and payment schedule is:
11 Feb 20X1: Prepayment 1: $30,000.
15 Jan 20X2: Payment 2: $50,000 (machine delivered)
15 Feb 20X2: Final payment: $20,000.
What would be the accounting treatment for the machine in this case? Do we record the whole PPE amount at $100,000 in 15 Jan 20X2, or do we only debit PPE $80,000?
Agradeço antecipadamente.
you should debit the full cost and the amount unpaid to the liability.
Hi, thank you for your prompt answer.
So we need to debit full amount of PPE on the date the machine was deliver? And also credit the amount of prepayment of $30,000 that we made on 11 Feb 20X1? What if the next payment of $20,000 on 15 Feb 20X2 will only be invoiced that day?
I’m a bit confused because I thought liability/AP would only be recorded once invoice has been received.
Agradeço antecipadamente.
In fact, you have some liability when you receive PPE. But be a bit practical – I don’t think that days really matter if the space between them is not that big.
Hi, may I ask another question please?
There is no such thing as Dr Prepaid PPE and Cr Accounts payable right? Some would argue that this “AP” doesn’t meet liability criteria stated in IFRS, but to me it’s fine though, as.
A liability is a present obligation of the entity arising from past events, the settlement of which is expected to result in an outflow from the entity of resources embodying economic benefits. & # 8211; So in this case, a past event could be the contract to buy the PPE signed and invoice sent?
Thank you very much !
But the problem is that you don’t have prepaid PPE as you haven’t paid actual cash. In practice, invoices for advanced payments are not recognised, because they would artificially increase both assets and liabilities. Anyway, if you have a contract as your past event + invoice, and you are not going to pay that, then you should recognise a liability for the penalty S.
Thank you for your helpful article.
i using evaluation model in PPE and the gain recognised in OCI.
is this apply for All non-monetary items in foreign currency carried at fair value using exchange rate at the date when fair value was determined?
if not please give me example.
If the foreign currency prepayment is not for PPE but an expense, for example, we paid Jan 20×2 rental expense in Dec 20×1, as it is a non-monetary item so we don’t recalculate it at the end of Dec 20×1 (reporting date), then when we record the rental expense in Jan 20×2 (Dr. Rental Expense/Cr. Prepayment), the expense will be shown at the historical rate (Dec 20×1), is it correct?
Thank you very much!!
Thank you for crystal clear explanation on accounting and.
Is it monetary item when we received advance for tour package from customer.
Hi Akshan, with prepayments, it’s not crystal clear and you need to assess every single prepayment carefully. Por exemplo. if the advance for tour package is not refundable, then it indicates it’s non-monetary. Please read more here: ifrsbox/monetary-non-monetary/ S.
This is clear to me if the case is AUC (asset under construction).
How about procurement of Inventory (trading goods)?
is historical rate of the prepayment applied to inventory cost?
Awsome article. From now onwards i m ur die heart fan. Ur article motivated me to do more research.
i would like to ask you about foreign currency treatment of advance payment to supplier for multiple invoices. as payment made not relate to single invoice, some time this supplier account have Debit balance sometime credit balance. We have family relationship with supplier and have trust on him.. in order to supply finished product that required many steps for example printing, packing & material itself etc, to give him comfort we paid mostly advance amount(not relate to any single invoice) so he can use it to produce finished product.
i m confused what exchange rate to use. may i use average rate and how?
I have a question, if the prepaid expense like prepaid insurance, will it be monetary item? and how does it affect gain/loss in currency translation?
Can prepaid expenses be recorded as intangible assets which are non monetary assets.
Thanks for this great article bringing clarity. It would be good if you could do another write up with illustration for the opposite of above (Treatment of Advance /Deposits received).
I work for a law firm and Clients accounts aside which is straight I would like to know the following:
1. Is it acceptable to recognise or track non-monetary asset/liability in transactional (forex) currency at spot rate even though they would be not subject to translation at year end?
2. In law firms we have WIP Disbursements (also known as Unbilled Disbursements) that would be ongoing as matter proceeds and that would comprise of many entries with multiple transactional currency. My current practice is to recognise these WIP assets at historical cost value. Should it instead be recognised as monetary assets and be subjected to translation at year end? The problems here: we would have local currency Disbursements as well as forex Disbursements: then on top of that we don’t know whether the billings for these disbursements in future (especially after year end) would be in local or forex currency.
3. We also have concept of General or Office Retainer which are essentially credits or unapplied Receipts or call it Advance Deposits against matters. In G/L these are credits in WIP Disbursements Asset account.
Please ignore the above post. I would like to replace the above post with the following:
Thanks for the great article. Perhaps you could do another write up on treatment of advances received.
I need your brains on the following problem.
I work for a law firm and we have Clients Accounts and Office accounts for client matters. My issues on office accounts:
1. We would have Unbilled Disbursements (WIP Asset account) that we could incur in forex, local or mix of currencies on clients’ matters. Are these monetary items?
2. Is it okay to track foreign currency incurred Unbilled Disbursements at transaction time in forex even if they are considered non-monetary items?
3. If we track foreign currency incurred Unbilled Disbursements at their forex values, and they are considered non - monetary (hence not translated at year end), and they need to be billed in forex as billing currency is established after year end, how do we have handle this?
4. We would also have Advance Deposits (we call them General Retainers or Unapplied Credits) received in forex, local or mix of currencies to be applied to future billings on clients’ matters. These are credits to WIP Asset account. Are these monetary items?
5. Is it okay to track foreign currency received Advance Deposits at transaction time in forex even if they are considered non-monetary items?
6. If we track foreign currency received Advance Deposits at their forex values, and they are considered non - monetary (hence not translated at year end), and they need to be recognised in forex and credited against monetary forex invoices (A/R) during billing time, how do we handle this?
Hi thank you for your information.
I have one question. If a company is a property seller and it takes advance payment for its construction and then they book the advance to unearned revenue. They receive advance with other currencies not functional one. Do they need to run exchange rate and calculate exchange gain loss for the unearned revenue?
What about non-refundable advance payments to suppliers to buy manufacturing raw materials, is it monetary or non-monetary item given the fact that it gives the company the right to pay less than the full invoice value, I. e. Less monetary units!
I have one question. What is the treatment of Credit balance with supplier. suppose order cost is USD 50,000 we remitted 75,000 to supplier 50,000 for the order already placed and 25,000 for future orders. end of financial year company did not place any new order in that case 50,000 is advance payment to supplier being non - monetary item no translation required. but what about 25,000 against which we have not placed any order till balance sheet date . its credit balance with supplier. Should we use closing exchange rate as its a monetary item.
we are in travel industry and Frequently, we are paying advance to Airline companies. Can we recognize these advance payments as monetary assets at end of each month?
I think these advances are non-monetary as in most cases, the service follows (and not the repayment of the advance back to you). S.
Thank you for your valuable answer.
thank you for the explanation. I’ve got the following problem:
Company 1 is ordering materials from company 2 and performs a prepayment (non-monetary goods so it should not be revalued). Both companies belong to the same owner.
Each company uses a different functional currency, the transaction happens in the reporting currency of the holding both companies belong to. Over time (with changing exchange rates) the balances of those two companies don’t match anymore. How can this difference be handled?
I would just like to ask what if the company pays an insurance policy with a premium of 50,000, for example on June 1 but the coverage period only starts on June 15. How do you record it on both dates?
As you have explained that prepayment against capital items are primarily non-monetary on the pretext that they are non refundable in nature. However, if such advance is secured in nature e. g. against 100% bank guarantee which can be invoked in case of failure of delivery of PPE and amount can be recovered. In this case, can such advance be treated as monetary item and can be translated at closing rate??
Rosh, again, what is the probability of failure of delivery of PPE? I think that the bank guarantee does not change a character of the advance – it is still non-monetary. S.
Very critical and interested topic.
You’re highly capable in delivering and summarizing ideas.
Thank you for your lesson and explain. it is very apparent.
I would like to ask whether prepayments of service fees is non monetary asset, what rate to use, and for the amortization of this asset what rate should I use. Obrigado.
Dear Jarra, it is very similar as for any asset you acquire. In most cases, these prepayments are non-monetary as there is no right to receive cash. S.
are dividends paid after oci or before.
Is advance given to agents for making payments of expenses on our behalf to be considered as monetary asset?
it depends on the type of the advance. Sometimes it’s monetary and sometimes it’s non-monetary, depending on the terms agreed between the two parties (especially right of refund, its probability, etc.). I would say that in your case, it is non-monetary, because you are expecting some services to be delivered (and not cash back). Please, read more about it here. S.
is post employment benefit asset monetary item?
This is really an awesome article, thanks a million.
But my concerned is the advance or first payment made. There is no reference to the supplier account to whom the payment was made. The entries was; Debit Asset-prepayment PPE and Credit Cash. Whereas the final payment was booked in supplier account with the effect that only that portion of the total Asset value shown in supplier account in the book of the company.
In the final analysis, the supplier account in the company book does not give the total value of the Asset supplied to or purchased by the company.
Can you please, clarify this.
I would be grateful to get your advice in dealing with the scenario where we have prepaid to rent an office premises overseas in USD for 1 year, and are expensing the monthly charges in USD, however our reporting currency is GBP, and due to the fluctuation of currency over the period the GBP value at the end of the year is distorted.
Is it allowable to revalue the prepayment balance for the year end financial statements even though this is a non-monetary asset?
In some other examples the closing prepayment has a positive balance in USD, but a negative value in GBP.
your balance in GBP should not be negative. It should equal the balance of the remaining rent to be spend in USD translated by the historical rate.
In fact, when you were expensing monthly charges in USD, you should have translated these charges by the historical rate GBP/USD, not the actual rate at the time of expense. The reason is that this prepayment is a non-monetary asset (no right to receive cash, but service) and your real expense in GBP is exactly what you paid at the time of making the prepayment. S.
We are in the US and Foreign Company prepaid for royalties, though in the contract the money is refundable. Each month the royalties are calculated and subtracted from the prepay.
Should the monthly royalty payments be determined using the historic currency rate or should they be calculated using the current currency rate?
Thanks for your help!
Caitlin, this is really unsolved area in IFRS. In general, I would treat it as non-monetary item, based on the probability of their refund. S.
Can you please help me on the below?
The reporting currency is USD.
We purchase something and the vendor issues its invoice in EUR.
When we record the liability we use the official EUR/USD rate of the local bank of issue.
Some days later, when we pay off the liability, we evaluate the payment on Reuters daily EUR/USDrate.
There is know linkage between Reuters and the local bank of issue.
Can we follow this practice (evaluating the liability and the payment based on completely different financial institutes’ FX rates as a mix) or we should record the selected financial institute as FX rate source in our Accounting Policy?
I have reviewed IAS 21 but cannot find a clear instruction.
Please, when you answer, insert the relevant IFRS regulation reference as well.
Many thanks in advance.
Sorry, ‘there is no linkage’ is the correct expression.
IAS 21 does not state precisely what rate you should use – whether Reuters, or the local bank’s rate. However, IAS 21 in par. 26 says that you should use the rate at which the future cash flows of the relevant transaction will be settled. As a result, using the local bank’s rate for recording the liability is OK, but I have doubts about translating the payments by the Reuters rate, because the payments are mostly settled using the bank’s commercial rates, too. S.
Thank you for the answer.
We are an Online Travel Agent and acting like an agent according to; ifrsbox/ifrs-revenue-principal-agent/
Our revenue is the commission on trips (no package deals created by our company), price is determined by the actual operator.
I assume we have the focus on non-monetary customer prepayments and operator prepayments, both in foreign currencies (other than reporting currency EUR). We are allowed to recognize revenue once there is no cancellation option for the customer any more.
How to deal with the received prepayments and payments made to the final operators?
Example: (note: company has USD and EUR bank account)
Day 01 – customer prepayment 1.000 USD – fx to EUR = 1:1.
Day 10 – prepayment by us to Operator 3.000 THB – fx to EUR= 1:30.
Day 20 – prepayment by us to Operator 20.000 THB – fx to EUR= 1:25.
Day 30 – cancellation date, on date of Revenue recognition:
According to IFRIC 22 (effective 01-01-2018) you should take the fx on the actual “transaction date”. By this, it means that we will have the following result to be determined on Day 30:
Revenue customer part: 1.000 / 1 = EUR 1.000.
Revenue operator part: – 3.000 / 30 = – EUR 100.
Revenue operator part: – 20.000 / 25 = – EUR 800.
Total revenue result in the P&L to be taken / shown: EUR 100,-
No FX result should be shown in the report, based on IFRIC 22.
Is that the right conclusion? Or do you have a different opinion on this? Thanks for your support.
Silvia? Hope you will find some time to support / challange my confidence in the case above….. Will be highly appreciated. Thnx in advance!
Thanks Silvia, I need to know exactly is advances from clients for proved services or goods in monetary or not (reevaluated at the end of period or not)
talking the possibility to canceled the contract and refund the amount of advance to client.
Thank you for this article. This is very informative.
But I just want to ask if the monthly restatement the monetary amount necessary? For example, our functional currency is in Yen, and we have a Cash in Bank in USD? Is it necessary to restate our USD to Yen monthly using the month end rate?
Your reply will be very helpful to us and this will be highly appreciated.
Hi Jack, well, IFRS do not prescribe monthly restatement. Technically speaking no, you don’t have to do it – but, if you prepare monthly reports under IFRS, then yes, you have to do it, because otherwise your reports would not be IFRS compliant.
Hi Silvia, thank you for your reply.
I have two questions:
1) Why are non refundable prepayments non-monetery? Is it because no cash element is present in the transaction.
2) For Monetary & Non-Monetary transactions, is cash an essential factor because there could be settlements/realization made in other than cash too such as buy backs by issuing fresh equity.
I would be grateful if you may answer at the earliest.
Thank you for the article.
I have a question about revaluation of prepaid expenses. The scenario involves prepayments for IRU contracts (indefeasible right of use). When it comes to IRU contract, usually the customer is making one large prepayment in the begging of the contract for obtaining right of use of dark fiber line for a long period (10-15 years).
Our functional currency is EUR, but on some occasions, the prepayments are made in USD.
A basic scenario is when the advance is paid in the beginning involving one total amount. For example, we pay an advance of USD 10 million for 10 years IRU contract. Here we have advance of USD 10 million, equal to EUR 8.5 million (randomly selected fx rate USD 1.176/EUR). The prepayment is not refundable and as such I assume that the advance should not be revalued at each year end.
In this case we will recognize an annual expense of EUR 850 k.
However, for some contracts, the payments are made with few installments, rather than having one lump payment in the beginning.
The same scenario as above – 10 years IRU contract amounting to USD 10 million (the amount is not refundable). The payment schedule is as follows:
In the beginning of year 1, we pay USD 4 million.
In the beginning of year 2, we pay USD 4 million.
In the beginning of year 3, we pay USD 2 million.
In this case, for each payment, we have different fx rate for USD/EUR.
Could you share your thoughts about the second example. Should we revalue the advances at the year end. Further, how to estimate what EUR amount we should recognize as expense each year?
Agradeço antecipadamente.
very interesting question. In this case, I would not revalue it either, because this is still non-monetary advance (no right to receive cash). As for the expense in EUR, I would estimate it using weighted average method. Actually, there’s no guidance about this specific case in IFRS, so you need to develop your own methods. Simply, in the year 1, you have no choice than use the historical rate of the 1st payment. In the end of the year 2, you can estimate the weighted average of the remaining 3 mil. from the 1st payment and 4 mil. from the 2nd payment and translate with that rate. Você entendeu. Alternatively, maybe FIFO method would be acceptable, too. Use the rate of payment 1 for the expense in the years 1-4, rate of payment 2 for the expense in the years 5-8 and rate of payment 3 for the expense in the years 9-10. Espero que isto ajude! S.
Thank you, Silvia, for the swift reply. It was very helpful.
Post a Reply.
Postagens recentes.
Sometimes, the things can happen behind your bac.
When I was an audit freshman, my least favorite .
If you invest your savings to the purchase of so.
Buy one, get one free. Discounts on future pur.
In my last article I tried to outline the strate.
Direitos autorais e cópia; 2009-2017 Simlogic, s. r.o. Todos os direitos reservados.
Please check your inbox to confirm your subscription.

No comments:

Post a comment