Tuesday, 27 March 2018

Hedging Com Puts E Chamadas



Em tempos de incerteza e volatilidade no mercado, alguns investidores se transformam em hedge usando puts e chamadas versus estoque para reduzir o risco. Hedging é mesmo promovido por fundos de hedge, fundos de investimento, corretoras e alguns consultores de investimentos. (Para obter um guia sobre as opções, consulte o nosso Tutorial básico de opções).
A cobertura com colocações e chamadas também pode ser feita em relação às opções de ações de funcionários e ações restritas que podem ser concedidas como substituto da compensação em dinheiro.
O caso de hedging versus opções de ações de funcionários tende a ser mais forte do que o caso de hedging versus estoque. Por exemplo, a maioria das ações podem ser vendidas imediatamente sem penalidades, exceto o imposto sobre ganhos de capital (se houver), enquanto que as opções de ações de funcionários nunca podem ser vendidas, mas devem ser exercidas e, em seguida, as ações vendidas. A penalidade aqui é a perda de qualquer prêmio de tempo restante e um imposto de renda de compensação antecipada.
No entanto, é necessário um maior grau de especialização para proteger eficientemente as opções de ações dos empregados, dada a falta de preços de exercício padronizados e datas de vencimento, considerações fiscais e outras questões.
Então, como uma questão prática, como um especialista protegeria eficientemente uma carteira de ações ou opções de ações dos empregados?
[Antes de começar a se proteger da esquerda e da direita, certifique-se de entender completamente como as opções funcionam e as melhores estratégias para empregar durante a negociação. O curso de Opções para Iniciantes da Academia Investopedia oferece um treinamento robusto sobre opções que o protegerão em pouco tempo. ]
Compreenda os Riscos e Recompensas.
O primeiro passo é compreender os riscos de manter a carteira de ações ou opções de ações de empregados que você possui. As opções, quer trocam trocas de chamadas e colocações ou opções de ações de empregados, certamente são mais arriscadas para possuir do que estoque. Existe uma maior chance de perder rapidamente o seu investimento em opções em comparação com ações, e o risco aumenta à medida que a opção se aproxima da expiração ou se afasta do dinheiro (OTM). (Saiba mais sobre os riscos na Redução do risco com opções.)
Em seguida, tendo em vista sua melhor compreensão dos riscos associados à manutenção das posições que você possui, determine quanto risco você deseja reduzir. Você pode perceber que você está muito concentrado em um estoque e deseja reduzir esse risco e evitar pagar um imposto sobre ganhos de capital ou pagar os custos de um exercício antecipado das opções de compra de ações dos empregados.
Certifique-se de entender as regras fiscais aplicáveis ​​à cobertura, de modo que você não se surpreenda após o evento. Estas regras fiscais são um pouco complicadas, mas às vezes oferecem resultados atraentes se forem gerenciadas corretamente. Existem regras fiscais especiais que se aplicam a opções de compra de ações de hedge, e estas são diferentes das que se aplicam a ações de hedge.
Certifique-se de que compreende a mecânica de executar os negócios iniciais necessários. Como você deve entrar nas negociações? Você deve entrar em ordens de mercado ou limitar ordens ou entrar em ordens limitadas vinculadas ao preço das ações? Na minha opinião, você nunca deve entrar em ordens de mercado quando as colocações comerciais ou as chamadas. As ordens limitadas vinculadas ao preço das ações são o melhor tipo.
Em seguida, você deve entender os custos de transação e isso não significa apenas as comissões. O spread entre a oferta e a pergunta e o volume passado e os interesses abertos devem ser considerados antes de entrar em negociações. Você não quer entrar em setos onde há pouca ou nenhuma liquidez quando quiser sair.
Você também deve entender os requisitos de margem associados às várias transações e como esses requisitos podem mudar. Claro, ao vender chamadas individuais para cada 100 ações que você possui, é simples determinar o requisito de margem para fazer a venda (ou seja, não há margem se o estoque permanecer na sua conta) mesmo se você retirar o produto na venda das chamadas. Vender mais de um a um em relação ao estoque fica um pouco mais complicado, mas pode ser tratado com bastante facilidade. As opções de opções de hedge versus opções de ações dos empregados realmente exigem margem se você não tiver ações da empresa.
Em seguida, você deve entender o tempo necessário para monitorar as posições à medida que as ações se movem e os prémios corroem e as volatilidades e as taxas de juros mudam. Você pode desejar de tempos em tempos para fazer ajustes substituindo um conjunto de valores mobiliários que você está usando para proteger sua carteira com um conjunto diferente de valores mobiliários.
Depois, há as decisões sobre se você deve comprar, vender chamadas ou fazer uma combinação dos dois.
Finalmente, decida quais chamadas são as melhores para vender ou quais são os melhores para comprar. (Para obter mais informações sobre opções de longo prazo, consulte Valores de Antecipação de Ativos de Longo Prazo: Quando Tirar o "LEAP"?)
Uma das decisões mais importantes a fazer é quando você deve vender chamadas e comprar coloca. É o melhor momento para vender apenas antes dos anúncios de ganhos quando os prémios são bombeados ou é a semana após a divulgação dos ganhos o melhor momento para comprar? E você deve considerar as volatilidades implícitas das opções que esperam vender chamadas de alta qualidade e comprar posições de baixo preço? Muitas vezes, as volatilidades recentemente impulsadas implicam que algo pode estar nos trabalhos e algumas pessoas estão negociando informações privilegiadas. Talvez não se cubra todas as posições ao mesmo tempo é a abordagem mais prudente.
Você venderia chamadas no dia em que os executivos receberam grandes quantidades de opções ou as venderão duas ou três semanas depois? Você sabe como identificar o que os executivos executivos estão fazendo com os valores mobiliários da segurança coberta em potencial? Há evidências de que quando as opções de ações de funcionários e ações restritas são concedidas a executivos, há uma chance muito melhor de que o estoque aumentará em vez de cair no mês seguinte.
Hedging definitivamente tem seus méritos, mas tem que ser bem pensado e provavelmente é melhor procurar o conselho de alguém experiente nesta prática antes de tentar por sua conta.

Cobertura de opções de estoque de funcionários
Documento de divulgação (formato PDF)
Artigos selecionados por Vigésimos Autores de Valores.
Vigésima Primeira Corporação de Valores Mobiliários.
A volatilidade nos mercados de ações nos últimos anos aumentou o desejo de muitos indivíduos de proteger sua exposição a posições concentradas em uma única ação. Uma área em que os indivíduos geralmente desejam proteger sua exposição a uma determinada ação é no contexto de opções de ações não qualificadas.
("NQOs") 1. Este artigo aborda as principais questões relacionadas à cobertura de opções de estoque não qualificadas, discute as várias estratégias que são comumente empregadas e identifica duas estratégias potenciais que poderiam fornecer os melhores resultados para a maioria dos indivíduos.
Objetivos do investidor.
Uma opção de compra de ações do empregado autoriza o detentor a comprar um número específico de ações de seu empregador a um preço específico ("o preço de exercício"). Por exemplo, uma empresa pode conceder opções que dão ao executivo o direito de comprar 100.000 ações no preço de US $ 20 por ação, com início em cinco anos e que expiram em dez anos. Mesmo que o preço atual da ação esteja abaixo do preço de exercício, a opção tem valor 2, uma vez que o executivo tem o direito, e não a obrigação, de comprar o estoque no preço de exercício. Se o preço atual da ação estiver acima do preço de exercício das opções, as opções são ditas "no dinheiro". Quando os NQOs estão no dinheiro, os executivos geralmente desejam "bloquear" alguma parte do seu ganho não realizado antes do exercício . Idealmente, um executivo que tenha uma quantidade significativa de riqueza vinculada em NQOs apreciados gostaria de proteger esse ganho através de hedge contra uma queda no preço das ações antes do exercício 3. Para alcançar esse resultado, o executivo deve escolher uma ferramenta de hedge que remova algum ou o risco de manter as opções dos empregados sem criar um passivo fiscal atual. Além disso, o executivo deve proteger suas opções de funcionários de uma maneira que não viole quaisquer restrições de direito contratual ou de valores mobiliários. No passado, os bancos de investimento ofereceram diversos produtos e estratégias para atingir esses objetivos. No entanto, muitas dessas estratégias criam problemas fiscais que podem superar quaisquer benefícios potenciais de hedging. Portanto, os executivos e seus assessores devem ter muito cuidado ao selecionar uma ferramenta para proteger os NQOs.
Questões fiscais e regulamentares.
Embora o foco principal deste artigo seja sobre os aspectos fiscais da cobertura da NQO, existem também possíveis restrições contratuais e de direito dos valores mobiliários sobre a capacidade de hedge de um executivo.
Limitações contratuais para cobertura de opções de empregados.
A maioria das empresas limita a capacidade dos executivos de exercer NQOs por meio de "períodos de aquisição" contratuais, que especificam o prazo em que as opções dos empregados podem ser exercidas. No entanto, os limites contratuais diretos em hedging de opções de empregados são relativamente incomuns. Embora a maioria dos planos de opções de empregados proíbam a transferência ou a cessão da opção 4, eles geralmente não proíbem a cobertura. No entanto, como uma questão prática, é imprudente e improvável que um executivo seja capaz de proteger as opções de empregados não vencidas 5. Outra restrição contratual comum é que a maioria dos planos de opções impedem os executivos de comprometerem seus subsídios. Essa restrição pode ser importante porque a maioria dos negociantes de títulos exige que os executivos publiquem alguma forma de garantia valiosa para uma transação de hedge. Como a opção de empregado normalmente não pode ser usada como garantia, o executivo geralmente deve comprometer outros ativos como garantia com o negociante de valores mobiliários que executa o hedge. Muitas vezes, o executivo será proprietário de outras ações da empresa que podem ser garantidas como garantia. Se o executivo não tiver outras ações da empresa para prometer como garantia, ele terá que publicar outra forma de garantia cujo valor pode ou não acompanhar sua obrigação no âmbito do contrato de hedge.
Limitações do direito dos valores mobiliários à cobertura das opções dos empregados.
A principal restrição da lei de valores mobiliários sobre cobertura de opções de empregados é a seção 16 (c) 6. Esta regra torna ilegal para os afiliados venderem o stock de ações de seu empregador. O estatuto não permite vendas curtas e não aborda derivados que oferecem resultados econômicos similares a uma venda curta. A Regra 16c-4 especificamente permite que os afiliados empregem derivativos para hedge. No entanto, esta regra permite que os afiliados se protejam apenas na medida da sua propriedade das ações subjacentes das ações da empresa 7. Portanto, enquanto as afiliadas podem proteger suas posições de ações, elas não podem proteger as NQOs 8.
Outra possível restrição da lei de valores mobiliários à cobertura de opções de empregados é a Regra 10b-5, que impõe responsabilidade por negociação com base em informações privilegiadas. Enquanto o desejo de hedge de um executivo não se basear em informações materiais e não públicas, a Regra 10b-5 não deve representar problemas sérios.
Uma questão final a considerar é o "lucro de swing curto" regras da seção 16 (b). Em geral, esta regra permite que a empresa recupere qualquer lucro que os iniciados da empresa ganhem com a compra e venda de ações do emissor ou derivativos nesse estoque no prazo de seis meses. Esse problema geralmente pode ser evitado ao não comprar ações em até seis meses de hedge. Um executivo pode se proteger dentro de seis meses de uma outorga de opções de empregado, porque a concessão de opções de funcionários não deve ser uma transação "correspondente" 9.
Limitações do direito tributário à cobertura de opções de empregados.
De acordo com as regras de "venda construtiva" 10, os investidores não podem entrar em certas transações que têm o efeito de proteger todo o risco de queda e queda de uma "posição financeira apreciada". 11 Uma "posição financeira apreciada" é uma posição com respeito a qualquer ação se houvesse um ganho quando essa posição fosse vendida, cedida ou de outra forma encerrada pelo seu valor justo de mercado. Essas regras foram promulgadas em 1997 e foram projetadas para eliminar certas estratégias de hedge e monetização que foram percebidas como abusivas. Uma questão básica é se um NQO está sujeito às regras de vendas construtivas. Se um NQO for encerrado em seu valor de mercado justo, a rescisão dará origem a resultados de compensação em oposição ao "ganho". Ao longo do Código, a palavra "ganho" é usada quando um ativo é descartado, geralmente em uma transação de capital. Uma série de profissionais acreditam que essa distinção entre ganho e compensação leva à conclusão de que as opções de compra de ações dos empregados não são regidas pelas regras construtivas de vendas. No entanto, a Seção 1001 define "ganho" como o excesso do valor realizado sobre a base no ativo alienado. Assim, enquanto haveria ganhos na disposição de uma opção, esse "ganho" seria tratado como uma remuneração. Consequentemente, uma conclusão mais conservadora é que as opções de compra de ações dos empregados são cobertas pelas regras de vendas construtivas. Se as regras de vendas construtivas não se aplicassem às NQOs, um executivo poderia proteger seus NQOs vendendo opções de compra no mercado que refletem os termos das opções que ele possui. Por exemplo, se um executivo tem NQOs com um preço de exercício de US $ 10 que expiram em três anos, ele poderia vender opções de compra no mercado com o mesmo preço de exercício e data de vencimento, realizando imediatamente o valor atual de seus NQOs.
Supondo que as regras de venda construtivas se apliquem aos NQOs, uma série de estratégias de hedge diferentes que produzem economias semelhantes a colar permanecem. Em um "colar" típico, um investidor compra uma opção de venda, o que lhe dá o direito de vender o título subjacente a um preço específico e vende uma opção de compra, o que confere ao comprador o direito de comprar o estoque dele em um determinado preço. Ao combinar a compra de uma colocação com a venda de uma chamada, o investidor cria um "colar" em torno do preço do estoque. Por exemplo, um investidor que detém ações da ação XYZ que atualmente está negociando em US $ 20 pode comprar uma opção de venda com um preço de exercício de US $ 19 e vender uma opção de compra com um preço de exercício de US $ 26. Isso protegeria o investidor de qualquer declínio de preços abaixo de US $ 19 e cobrirá a participação ascendente do investidor em US $ 26.
Enquanto uma cobertura não eliminar substancialmente todo o risco de perda e potencial de ganho nas opções de empregado, não deve criar uma venda construtiva. Uma questão interessante que surge neste contexto é se um não-afiliado que protege os NQOs deve manter qualquer participação positiva nos NQOs ou no estoque subjacente. Por exemplo, se um funcionário que não é um afiliado detém NQOs e entre em uma venda curta, ele eliminará toda a exposição econômica aos NQOs ou ao estoque subjacente. No entanto, o funcionário manterá uma oportunidade de ganho se o preço das ações cair abaixo do preço de exercício dos NQOs. Essa oportunidade de lucro vem da posição curta, continuando a gerar lucros à medida que as ações caem abaixo do preço de exercício das opções, não da NQO 12. Embora isso pareça criar um conflito de interesses, uma vez que o empregado agora está em posição de se beneficiar economicamente se o preço das ações da empresa declinar, não deve ser uma venda construtiva, porque existe a possibilidade de uma ganância inesperada se o estoque cair. Deve-se notar que esse mesmo potencial de lucro quando as quedas de ações da empresa também existiriam se um empregado hedge seus NQOs com um colarinho. Por exemplo, suponha que um executivo executa o mesmo colar no estoque XYZ descrito acima (comprando um preço de exercício de US $ 19 e vendendo uma chamada com um preço de exercício de US $ 26 no momento em que o estoque da XYZ vale US $ 20). Se o executivo possui NQOs com um preço de exercício de US $ 10, ele conseguirá ganhos adicionais se o preço das ações cair abaixo de US $ 10.
No contexto do estoque de cobertura, em oposição aos NQOs, um indivíduo que entra em uma venda curta 13 do estoque claramente fez uma venda construtiva. No entanto, se um executivo possui NQOs, uma venda curta do estoque subjacente não criará automaticamente uma venda construtiva, uma vez que os NQOs não são "substancialmente idênticos" ao estoque subjacente 14. A linha inferior é que um executivo que busca hedge NQOs deve ter o cuidado de estruturar a cobertura para que ele mantenha oportunidades suficientes de ganho ou perda para evitar a criação de uma venda construtiva. Se o executivo é um afiliado, sua capacidade de hedge é ainda limitada por restrições de leis de valores mobiliários.
Cobertura com um colarinho.
Como mencionado acima, os executivos podem proteger seus NQOs e manter algum potencial de lucro e / ou risco de perda empregando algum tipo de "produto colarinho". Com base no histórico legislativo que acompanha a implementação das regras construtivas de vendas, a exposição ao estoque deve seja igual a pelo menos 15% de seu valor, e a cobertura deve ter uma vida limitada. O colar poderia ser implementado usando uma variedade de ferramentas. Três ferramentas que são comumente usadas são as próprias opções, os contratos a termo variáveis ​​pré-pagos e os swaps com opções incorporadas. Enquanto os três alcançam o mesmo objetivo econômico, cada um deles tem diferentes conseqüências fiscais.
Possíveis ferramentas de cobertura.
Coleiras baseadas em opções ou contratos a prazo.
A questão-chave que surge quando a cobertura de NQOs é o potencial "whipsaw" que pode ocorrer se a ferramenta de hedge e as opções de empregados produzem renda / perda de personagem diferente. Quando um executivo exerce um NQO, ele produz renda ordinária 15. Em contrapartida, um colar com base em opções ou contrato a prazo dará origem ao ganho ou perda de capital. Portanto, o uso de um colar com base em opção ou contrato a prazo para hedge NQOs cria o potencial de renda ordinária de um lado da transação e a perda de capital do outro lado. Se o estoque subjacente continuar a apreciar, o empregado terá renda ordinária e perdas de capital. A menos que o empregado tivesse ganhos de capital de outras fontes, as perdas não seriam dedutíveis.
Por exemplo, suponha que um executivo cobre seus NQOs usando um colar com base em opções e que o estoque subjacente aumenta em US $ 1 milhão acima do nível das opções de compra vendidas enquanto a cobertura está no lugar. Economicamente, o cliente não se beneficiou desse aumento, já que ele trocou sua participação ascendente no estoque além desse nível. No entanto, quando o colar vence e o executivo executa seus NQOs, o executivo agora possui US $ 1 milhão de renda ordinária e $ 1 milhão de perdas de capital. A menos que o executivo tenha ganhos de capital suficientes contra os quais ele possa compensar essas perdas de capital, ele só pode deduzir US $ 3.000 da perda de capital contra a receita ordinária. Portanto, enquanto esta cobertura proporcionava proteção contra desvantagem, também criou US $ 997 mil em renda ordinária no ano corrente.
Uma maneira de contornar essa questão parece ser para o destinatário da NQO fazer uma eleição de acordo com a seção 83 (b) do código. Esta seção permite que os funcionários que recebem propriedade de seus empregadores optem por serem tributados após o recebimento do imóvel a taxas ordinárias pelo valor justo de mercado do imóvel. Qualquer valor subseqüente na propriedade é então tributado como ganho de capital. No entanto, uma eleição da seção 83 (b) está disponível somente para opções que tenham um "valor prontamente determinável". Sob o Tesouro. Reg. 1.83-7, para que uma opção tenha valor facilmente verificável, ela deve negociar em um mercado de valores mobiliários estabelecido (o que não é o caso das NQOs), ou deve atender a outros quatro critérios que, na prática, é improvável que os NQOs conheça 16. Portanto, uma eleição nos termos da seção 83 (b) não é viável para NQOs.
Seção 1221-2 (b) Eleição.
Uma possível solução para o problema do whipsaw que alguns especialistas propuseram é que o executivo identifique qualquer estratégia de hedge como uma operação de hedge na acepção da seção 1.1221-2 (b) do Regulamento do Tesouro dos EUA 17. Esta seção define uma transação de hedge como "uma transação que um contribuinte participa no curso normal do comércio ou negócios do contribuinte principalmente - (1) Para reduzir o risco de mudanças de preços ou flutuações cambiais em relação à propriedade comum. "Esta seção foi projetada para proteger empresas que empregam transações de hedge no curso normal de seus negócios. Por exemplo, uma companhia aérea pode proteger o risco de preço no combustível de jato através de contratos a termo. A Seção 1221 permitiria que essas empresas tratassem qualquer ganho ou perda de sua cobertura como ordinária, uma vez que o ativo subjacente a ser coberto é ordinário (neste exemplo, o bem que está sendo protegido é a matéria-prima da empresa). Além disso, se uma transação for identificada como hedge de acordo com a Seção 1221, o reconhecimento de receita ou perda da cobertura é combinado com ativos ou passivos que estão sendo cobertos.
Para que a Seção 1221 se aplique a hedge NQOs, duas condições devem ser atendidas. Primeiro, os NQOs devem ser "propriedade comum". Em segundo lugar, a cobertura deve ser celebrada no curso normal dos negócios do executivo. Com respeito à primeira emissão, os NQOs devem ser considerados "propriedade comum", uma vez que foram concedidos em troca do trabalho do executivo em nome da empresa e após o exercício, o executivo reconhecerá a renda ordinária. Uma recente Resolução de Carta Privada 18 forneceu orientação adicional sobre a aplicação da Seção 1221 quando um derivado é usado para hedge no contexto de compensação de empregado. Esta decisão envolveu um empregador que ofereceu uma remuneração diferida aos seus empregados. O valor da remuneração diferida baseou-se no desempenho de determinados fundos de investimento. Em vez de investir diretamente nos fundos de investimento, a empresa optou por proteger seu passivo de remuneração diferida ao celebrar um contrato de derivativos com um negociante de valores mobiliários. A empresa identificou os contratos de derivativos como operações de hedge de acordo com a Seção 1.1221-2 (f). A decisão afirmou que a obrigação de compensação diferida era uma "obrigação ordinária" e que os contratos de derivados eram qualificados como operações de hedge para fins da Seção 1221 19. Esta decisão fornece suporte adicional para a posição de que os NQOs são "propriedade comum". A decisão afirma que o passivo de remuneração diferida do empregador é uma "obrigação ordinária" de acordo com a Seção 1.1221-2 (c) (2) porque "uma obrigação é uma obrigação ordinária se o desempenho ou o término da obrigação pelo contribuinte não puderem produzir ganho ou perda de capital ". Embora os NQOs sejam um ativo e não um passivo nas mãos de um empregado, a mesma análise deve ser aplicada. Ou seja, após o exercício ou outra disposição dos NQOs, o empregado não produzirá ganho de capital para que eles se qualificem como "propriedade comum".
A segunda condição que deve ser cumprida para que a Seção 1221 se aplique no contexto de hedging NQOs é que o hedge deve ser "inserido no curso normal do comércio ou negócios do contribuinte principalmente [t] o reduzir o risco de mudanças de preços ... "Ao entrar em uma operação de hedge, o executivo está reduzindo o risco de preço das NQOs. O executivo também deve demonstrar que o hedge é aquele que ele faz no "curso normal" de seus negócios. Este é um argumento de imposto algo novo, e nem todos os profissionais concordam com sua aplicação. No entanto, se a Seção 1221 pode ser usada por um executivo no contexto de opções de hedging para empregados, ela fornece uma solução simples para o problema do whipsaw. Qualquer perda na cobertura seria do mesmo caráter (ordinário) que o rendimento das NQOs.
Para aqueles executivos que não estão completamente confortáveis ​​que a Seção 1221 pode ser aplicada para proteger NQOs, outra alternativa possível é usar um swap que tenha construído em economia tipo colar 20. Com um swap, se o estoque subjacente continuar a aumentar após o hedge ter sido colocado, uma perda pode ser incorrida. A perda será manifestada através de pagamentos periódicos feitos pelo empregado à contraparte no swap. Em um Memorando de Recomendação Técnica 21, o IRS determinou que todos os pagamentos contratuais feitos sob um swap, incluindo o pagamento final, devem ser tratados como uma dedução ordinária. Portanto, tanto a apreciação subseqüente sobre a opção quanto a perda na cobertura serão tratadas como deduções normais e serão neutras para impostos. Assim, os swaps resolvem o problema do whipsaw combinando o caráter da renda com as opções do empregado com a renda do swap. No entanto, existem várias desvantagens potenciais para os swaps.
Um resultado negativo potencial dessa transação é que as deduções ordinárias relativas aos pagamentos de swap são provavelmente tratadas como "outros itens" dedução 22. Essas deduções só podem ser tomadas na medida em que, no agregado, excedam 2% da renda bruta ajustada do empregado. Assim, se as deduções forem limitadas por essas regras, então, enquanto o caráter da receita e despesa permanecerem os mesmos, os valores serão diferentes. Além disso, as perdas de swap ordinárias não oferecem dedução para fins de cálculo do passivo de imposto mínimo alternativo (AMT) 23. O AMT foi originalmente concebido para assegurar que os indivíduos ricos que tiveram uma grande quantidade de deduções pagaram pelo menos algum imposto de renda. Os indivíduos são obrigados a calcular sua renda bruta ajustada primeiro de acordo com as regras normais de imposto de renda. Então eles devem fazer um cálculo separado de sua responsabilidade potencial da AMT. Uma série de exclusões e deduções permitidas para fins de imposto de renda não são permitidas para o cálculo da AMT. Por exemplo, certos tipos de juros de títulos municipais são tributáveis ​​para fins de AMT e nenhuma dedução é permitida para o pagamento de impostos estaduais e locais. Um executivo com uma receita considerável de opções de empregado, compensado por um montante igual de despesas de swap, não pode deduzir as despesas de swap para fins de cálculo de seu passivo AMT.
Além disso, em 26 de fevereiro de 2004, o Tesouro emitiu os regulamentos propostos 24 que poderiam potencialmente ter consequências adversas adicionais para os participantes do swap. Esses regulamentos abordam o tempo e o caráter dos "pagamentos não periódicos contingentes" feitos de acordo com um contrato de principal nocional (um swap). Um swap de capital próprio típico envolve pelo menos dois tipos de pagamentos entre o revendedor e a contraparte. Por exemplo, suponha que um investidor deseja entrar em um "swap de retorno total" no estoque XYZ. Economicamente, isso equivale a uma compra alavancada de estoque XYZ. Portanto, o investidor normalmente concorda em fazer pagamentos periódicos ao revendedor para refletir o custo do empréstimo. Além disso, o investidor concordará em pagar ao negociante por qualquer depreciação das ações da XYZ no vencimento do contrato, enquanto o negociante concordará em pagar ao investidor um valor que reflita qualquer valorização em XYZ, acrescido de um valor refletindo a receita total de dividendos e qualquer outro distribuições pagas aos detentores da XYZ durante o prazo do swap. Os pagamentos periódicos feitos pelo investidor não são contingentes, uma vez que a taxa a ser paga normalmente será estipulada quando o contrato for iniciado. Uma vez que esses pagamentos são periódicos e não contábeis, eles serão atualmente dedutíveis pelo investidor (e inclusíveis na receita da contraparte). Em contrapartida, o pagamento que reflete qualquer valorização ou depreciação no XYZ 25 ​​é contingente e não-periódico. O valor a ser pago (ou recebido) pelo investidor não pode ser determinado até o vencimento do swap, uma vez que se baseia no preço de XYZ no vencimento, portanto é claramente contingente. Além disso, ao contrário dos pagamentos de juros que são feitos durante a vida do swap, esse pagamento normalmente ocorre no vencimento e, portanto, não é periódico. Antes da emissão dos regulamentos propostos, a maioria dos contribuintes adotou uma metodologia de "espera e ver", pelo qual eles apenas incluíam pagamentos de swap não periódicos contingentes em renda, quando o valor do pagamento foi determinado (ou seja, no vencimento do swap).
De acordo com os regulamentos propostos, os contribuintes não poderão mais usar a abordagem "esperar e ver". Em vez disso, os contribuintes serão obrigados a incluir pagamentos não periódicos no lucro tributável ao longo do prazo do swap. Os regulamentos propostos também esclarecem que o caráter dos pagamentos periódicos e não periódicos, incluindo os pagamentos efetuados no vencimento de um swap, é ordinário. Este novo regime poderia criar o potencial de um imposto sobre "renda fantasma" no contexto da cobertura de NQOs. Por exemplo, suponha que um executivo entre em um swap com um colar embutido no estoque XYZ. Suponha que o estoque tenha um valor de US $ 100 por ação quando o swap for iniciado, o swap é por um período de dois anos 26 e, de acordo com os termos do swap, o executivo concorda em pagar o negociante swap por qualquer apreciação no estoque XYZ acima de US $ 120 por ação e o revendedor concorda em pagar o executivo por qualquer declínio no estoque XYZ abaixo de US $ 100 por ação. Suponha que, após um ano, o XYZ cai para US $ 75 por ação. De acordo com os regulamentos propostos, o executivo teria que incluir na renda um montante para refletir o aumento do valor do swap 27. Agora, suponha que o preço da XYZ se recupere e se reúna para US $ 150 por ação no vencimento do swap. Neste ponto, o executivo reconhecerá uma perda normal no swap, sujeito às limitações estabelecidas acima. Sob o método "esperar e ver", o executivo não teria reconhecido renda relacionada ao pagamento "contingente" até o vencimento do swap. No exemplo acima, de acordo com os regulamentos propostos, o executivo será tributado no final do primeiro ano em um ganho "fantasma" e, em última análise, reconhecerá uma perda ordinária que pode ou não ser totalmente dedutível. Para os swaps que terminam dentro de um único ano fiscal, os regulamentos propostos não devem ter qualquer impacto. No entanto, para swaps mais longos, os regulamentos propostos têm o potencial de criar um resultado tributário muito indesejável.
Problemas de tamanho e colaterais.
A contraparte do swap precisaria ter certeza de que o empregado seria capaz de executar sob o swap. A contraparte levaria em consideração diversos fatores em sua decisão, incluindo a posição financeira geral do empregado, independentemente de as opções terem adquirido e a vida restante das opções. Com base nessas considerações, a contraparte pode rejeitar a transação ou exigir garantia além das opções do empregado, ou, pelo contrário, realmente emprestar o dinheiro do empregado contra a posição de opção de empregado agora coberta.
Outra questão a considerar é que a maioria das agências de corretagem não estão dispostas a entrar em contratos de swap cujo valor nocional é inferior a $ 3 milhões de dólares. Além disso, para ser um "participante de swap qualificado", um indivíduo deve ter um mínimo de US $ 10 milhões de ativos (isto é, ativos brutos, não patrimônio líquido e pode incluir imóveis e outros ativos ilíquidos). Portanto, os swaps não são uma ferramenta de hedge apropriada para executivos que não possuem uma quantidade significativa de NQOs e outras riquezas.
Conclusão.
É claro que há uma grande demanda entre os executivos para proteger os NQOs. No entanto, proteger essas opções nem sempre é simples. Há uma série de questões fiscais que devem ser consideradas ao escolher uma ferramenta de hedge para NQOs. Os dois principais problemas que devem ser abordados são as regras de venda construtivas e o potencial de uma "conquista" de renda ordinária e perdas de capital. Estruturar uma cobertura que evita as regras de venda construtivas é relativamente direta. O problema do "whipsaw" é mais complexo. We identified two strategies that potentially avoid this issue. However, both of these strategies have potential limitations or drawbacks that must be analyzed before implementing the hedge.
1 There are two main types of employee options: “incentive” stock options (“ISOs”) and “nonqualified” options (“NQOs”). Under I. R.C. Sec. 421(a)(1), an ISO is taxed at capital gain rates and the tax is deferred until the employee sells the stock received upon exercise of the option. Incentive stock options comprise only a small percentage of most senior executive's compensation because the dollar value of annual ISO grants is limited. See I. R.C. 422(d) (underlying stock cannot be worth more than $ 100,000 for annual ISO grant). Under Treas. Reg. 1.83-7(a), an NQO is taxed as ordinary income upon exercise.
2 The value of an option consists of two elements: “time premium” and “intrinsic value.” Intrinsic value is simply the difference between the exercise price of an option and the current share price. If a stock is currently trading at $50, an option to buy that stock for $40 has $10 of intrinsic value. However, as long as there is time remaining before the option expires, the option will be worth more than $10 because there is a chance that the stock price will rise above $50. The amount by which the option’s price exceeds its intrinsic value is called “time premium.” To calculate the total value of the option, traders use sophisticated pricing models, such as the Black-Scholles model, which estimate the value of the option based on six main factors: exercise price of the option, price of the underlying stock, time to expiration, volatility of the underlying stock, interest rates and expected dividend payment of the underlying stock. In theory, an executive who owns out of the money employee options could still capture the value of the time premium in these options by selling identical options that are trading in the marketplace.
3 Once the options are exercised, an executive can diversify by simply selling the underlying shares. Because the executive will be taxed on the amount of gain upon exercise (measured by the difference between the exercise price and the stock price at the time of exercise), the executive’s basis in the shares will be equal to the fair market value of the stock at the time of exercise. Therefore, if the shares are sold immediately after the options are exercised, there will be no capital gain at this time.
4 See, e. g., Microsoft Corporation, Proxy Statement Pursuant to Section 14(a) of the Securities Exchange Act of 1934, Sep. 29, 2003, Sec. 2 (“ Nontransferability of Awards . Unless otherwise determined by the Committee, awards granted under the Stock Plan are not transferable other than by will or the laws of descent and distribution and may be exercised during the awardee’s lifetime only by the awardee.”)
5 Hedging unvested employee options presents some significant issues. For example, there is a risk that the employee could lose his job before the options vest, which in most cases would terminate the employee’s ownership of the options. If an employee enters into a hedging transaction with respect to unvested employee options and then loses his job, the hedging transaction would actually become a speculative bet against the value of the underlying stock. Clearly, that was not the employee’s intent when he entered into the hedge. Because of this risk, it is unlikely that most securities dealers would allow an executive to hedge unvested options unless the executive posts significant valuable collateral to compensate for this risk.
6 See Securities Exchange Act of 1934, 16(c), 15 U. S.C. 78p (c) (1994) (“It shall be unlawful for any affiliate. directly or indirectly, to sell any equity security of such issuer. if the person selling the security or his principal. does not own the security sold. ”).
7 See 17 C. F.R. 240.16c-4. The rule permits “put equivalent positions” (i. e., derivatives that appreciate as the stock price declines), but only "so long as the amount of securities underlying the put equivalent position does not exceed the amount of underlying securities otherwise owned." For example, an insider can buy a put on 500 shares if he owns 500 shares, but not if he owns only an option to buy 500 shares. The term “put equivalent position” is defined as “a derivative security position that increases in value as the value of the underlying equity decreases, including, but not limited to, a long put option and a short call option position.”
8 The viewpoint of the SEC on this matter is not entirely free from doubt, but this is certainly the more conservative view. Affiliates should consult with their own advisors before deciding whether they feel comfortable hedging NQOs.
9 See 17 C. F.R. 240.16b-3(d).
11 It should be noted that for purposes of IRC Sec. 1259, the legislative history indicates that the statute is designed to prevent transactions that eliminate “substantially all of the taxpayer’s risk of loss and opportunity for income or gain with respect to [an] appreciated financial position.” (emphasis added). Therefore, there should not be a constructive sale where a taxpayer eliminates only one of these elements. In other words, a taxpayer who owns appreciated stock, or options, may eliminate all risk of loss (for example by purchasing an at-the-money put option) as long as he retains an opportunity for gain.
12 When an individual hedges stock, hedging gains are typically offset dollar-for-dollar by a corresponding decline in the value of the stock. By contrast, when an individual hedges NQOs, gains from the hedge can exceed the decline in value of the NQO. For example, if an employee owns NQOs with an exercise price of $10 and enters into a synthetic short sale when the stock is worth $25, the employee has eliminated any possibility of additional gain from appreciation of the underlying stock and NQO. However, the employee has retained the opportunity for additional gain if the price of the underlying stock drops below $10. If the employee is an insider, he would not be able to enter into this type of transaction. An insider can only hedge NQOs to the extent of his ownership of company stock.
13 Or a derivatives-based structure that is economically equivalent to a short sale.
14 There may be circumstances in which a taxpayer would be deemed to have entered into a short sale of “substantially identical property” even if he only owns NQOs and shorts the underlying stock. This would depend upon how “deep in the money” the NQOs are. For example, if an executive who owns NQOs with a strike price of $1 enters into a short sale of the underlying stock at a time when the stock is trading for $100 per share, this would undoubtedly be a constructive sale. An option that is very deep in the money is economically so similar to owning the underlying shares that a short sale of the underlying shares would be a short sale of “substantially identical property.” As mentioned in note 8 above, this issue is irrelevant for insiders since insiders cannot sell short company stock.
15 See note 1 above.
16 Specifically, the rule stipulates that for an option to have readily ascertainable value, the option must meet the following criteria: (1) the option is transferable by the optionee, (2) the option is exercisable immediately, (3) the option or the property subject to the option is not subject to any restriction which has a significant effect upon the market value of either the option or property, and (4) the fair market value of the option must be able to be estimated with reasonable accuracy. In practice, NQOs are almost always non-transferable and are usually not immediately exercisable.
17 Under these regulations, the employee must identify the NQOs as part of a “hedging transaction” within 35 days after the hedge is initiated.
19 Interestingly, the PLR indicated that, had the employer hedged its risk by investing directly in the mutual funds to which it deferred compensation liability was tied, this would not qualify as a hedge under Treas. Reg. Section 1.1221-2(d)(5). This is a somewhat anomalous result, which is not clarified in the PLR.
20 A swap with a built-in collar would be structured such that the swap dealer agrees to pay the employee for all for all depreciation in the underlying stock below a certain level and the employee agrees to pay the swap dealer for all appreciation above a certain level.
22 The deduction under Treas. Reg. 1.446-3 (1994) for swaps is usually considered an expense for the production of income under section 212.
23 See I. R.C. 56(b)(1) (disallowing deduction of miscellaneous itemized deductions in computation of alternative minimum taxable income)
24 Treas. Reg. 166012-02.
25 Including an adjustment for dividends paid.
26 For simplicity, assume that the swap begins on January 1 of Year One and ends on December 31 of Year Two and that the taxpayer reports income on calendar-year basis.
27 Because the swap is designed to hedge the executive’s exposure to XYZ stock, the swap will increase in value when the stock price declines. The proposed regulations specify more than one method for including contingent payments into income during the term of the swap. For the sake of simplicity, we have assumed that the mark-to-market method is used.

Employee Stock Options: Basic Hedging Strategies.
We discuss some basic Employee Stock Option (ESO) hedging techniques in this section, with the caveat that this is not intended to be specialized investment advice. We strongly recommend that you discuss any hedging strategies with your financial planner or wealth manager.
We use options on Facebook (FB) to demonstrate hedging concepts. Facebook closed at $175.13 on November 29, 2017, at which time the longest-dated options available on the stock were the January 2020 calls and puts. (Related: Hedging Basics: What Is A Hedge?)
Let’s assume you are granted ESOs to buy 500 shares of FB on November 29, 2017, which vest in 1/3 increments over the next three years, and have 10 years to expiration.
For reference, the January 2020 $175 calls on FB are priced at $32.81 (ignoring bid-ask spreads for simplicity), while the January 2020 $175 puts are at $24.05. (Related: Hedging With Options)
Here are three basic hedging strategies, based on your assessment of the stock’s outlook. To keep things simple, we assume that you wish to hedge the potential 500-share long position to just past three years, i. e. January 2020.
Write calls : The assumption here is that you are neutral to moderately bullish on FB, in which case one possibility to get time value decay working in your favor is by writing calls. While writing naked or uncovered calls is very risky business and not one we recommend, in your case, your short call position would be covered by the 500 shares you can acquire through exercise of the ESOs. You therefore write 5 contracts (each contract covers 100 shares) with a strike price of $250, which would fetch you $10.55 in premium (per share), for a total of $5,275 (excluding costs such as commission, margin interest etc). If the stock goes sideways or trades lower over the next three years, you pocket the premium, and repeat the strategy after three years. If the stock rockets higher and your FB shares are “called” away, you would still receive $250 per FB share, which along with the $10.55 premium, equates to a return of almost 50%. (Note that your shares are unlikely to be called away well before the three-year expiration because the option buyer would not wish to lose time value through early exercise). Another alternative is to write one call contract one year out, another contract two years out, and three contracts three years out. Buy puts : Let’s say that although you are a loyal FB employee, you are a tad bearish on its prospects. This strategy of buying puts will only provide you downside protection, but will not resolve the time decay issue. You think the stock could trade below $150 over the next three years, and therefore buy the January 2020 $150 puts that are available at $14.20. Your outlay in this case would be $7,100 for five contracts. You would break even if FB trades at $135.80 and would make money if the stock trades below that level. If the stock does not decline below $150 by January 2020, you would lose the full $7,100, and if the stock trades between $135.80 and $150 by January 2020, you would recoup part of the premium paid. This strategy would not require you to exercise your ESOs and can be pursued as a stand-alone strategy as well. Costless collar : This strategy enables you to construct a collar that establishes a trading band for your FB holdings, at no or minimal upfront cost. It consists of a covered call, with part or all of the premium received used to buy a put. In this case, writing the January 2020 $215 calls will fetch $19.90 in premium, which can be used to buy the January 2020 $165 puts at $19.52. In this strategy, your stock runs the risk of being called away if it trades above $215, but your downside risk is capped at $165.
Of these strategies, writing calls is the only one where you can offset the erosion of time value in your ESOs by getting time decay working in your favor. Buying puts aggravates the issue of time decay but is a good strategy to hedge downside risk, while the costless collar has minimal cost but does not resolve the issue of ESO time decay.

Granting and Hedging Employee Stock Options: A Tax Motivation and Empirical Tests.
33 Pages Posted: 16 Nov 2000.
Haim A. Mozes.
Fordham University, Gabelli School of Business.
Steven B. Raymar.
Fordham University - Finance Area.
Date Written: July 24, 2001.
We present a tax motivation for the use of employee stock options (ESO) in compensation schemes, based on the advantageous treatment allowed for a firm hedging positions written on its own securities. In a binomial option framework, we show that a cost saving on the order of 10-15% of compensation can be achieved if a company hedges its ESO liability by repurchasing its own shares and issuing debt in a dynamic manner. The financial and popular press has noted both an increase in ESO usage and a tendency by firms to repurchase their shares. It is presumed that the objective of firms' stock repurchases is to hedge their ESO positions and avoid further diluting the stakes of their non-ESO shareholders. However, classic finance paradigms suggest that in the absence of informational effects and market frictions, (preventing) dilution should have little or no impact on the wealth of shareholders. Our model indicates that the stock repurchases and debt related tax benefits associated with hedging activity should favorably impact share prices, thereby providing a value - based justification for reducing dilution. Empirical results we present are consistent with our model. In particular, the data show that ESO usage is positively related to leverage increases and to share repurchases. In addition, although research has found that stock repurchases tend to follow price declines, we find that pre-repurchase stock rates-of-return are greater for firms with more ESO. This finding is expected in a hedging framework, since option values and share repurchases tend to increase with share prices.
JEL Classification: G32, G35, G13, J33.
Haim Mozes.
Fordham University, Gabelli School of Business ( )
113 West 60th Street.
New York, NY 10023.
Steven Raymar (Contact Author)
Fordham University - Finance Area ( )
33 West 60th Street.
New York, NY 10023.
Estatísticas de papel.
Jornais relacionados.
S&P Global Market Intelligence Research Paper Series.
Inscreva-se neste diário gratuito para artigos mais curados sobre este assunto.
Finanças Corporativas: Estrutura de Capital e Políticas de Pagamento eJournal.
Assine este boletim de taxas para mais artigos com curadoria sobre este tópico.
Links Rápidos.
Sobre.
Os cookies são usados ​​por este site. Para recusar ou aprender mais, visite nossa página Cookies. This page was processed by apollo7 in 0.172 seconds.

No comments:

Post a comment